É disso que sou feita: saudade. Como uma flor arrancada de um...

É disso que sou feita: saudade. Como uma flor arrancada de um jardim e que chora no copo d’água sentindo falta da terra. Assim, só saudade, inteira. Como quem viu uma criança passando frio na praça e deu a ela seu casaco preferido e agora sente um apertozinho no coração, apesar de ter feito a coisa certa. Uma saudade apertada daquelas que pairam no ar nos aeroportos e que mancham cartas com pesadas lágrimas. É disso que sou feita: a única dor que o tempo não cura, só faz aumentar. Dor que não cura nem com remédio caseiro. É preciso presença pra sarar! E ainda assim, a ferida sempre acaba aberta de novo. É frágil, delicada, como planta que só abre à noite. Não pode sentir frio novamente, que já estica as pétalas e desabrocha num segundo. Típico sentimento que adora atacar no fim do dia, quando só o relógio e a frigideira fazem barulho na cozinha. Dorzinha que incomoda como pedra no sapato. Uma pedra que aumenta a cada dia. É disso que sou feita: metade saudade.
A outra metade? Bem, também sinto falta dela.

1 compartilhamento
Inserida por kellyfaustino