Cristian de Freitas: MÚSICA: Resposta ao Cálice Me...

MÚSICA: Resposta ao Cálice

Me proibiram de falar de Deus
Me censuraram por falar de mim
Me ameaçaram pelos olhos teus
Que quase a minha vida teve fim
Minha memória a mente sufocava
Meu coração não tinha serventia
E até hoje eles fazem chorar
Sendo que agora eu quero alegria
De que valeu ser filho de uma santa
Se foi a outra que me acalentou
A realidade menos morta e bruta
E a mentira forte se tornou
De que valeu ser filho de granfino
Se a pátria toda era inconsolável
Me obrigaram a cantar o hino
Bebendo á força água impotável
Tão intolerável se tornou a vida
Tão muito escuro se tornou o dia
Tão claridão se fez a agonia
Que nada mais nesse mundo se via
E a partir de então, não têm mais cores
E a partir de então, sem mais amores
E a partir de então, não há saída
E a partir de então, acaba a vida
Porque aqui eu apanhava tudo
Ao mesmo tempo eu confessava nada
Cansei de ser capacho do governo
E de brincar dessa tal palhaçada
Hoje eu sei: Sou cidadão honrado
Que não perdoa o que foi perdoado
E agora o meu peito não mais cala
E agora a minha boca sempre fala
A porca gorda caminhou á beça
A faca usada cortou a cabeça
Se abriu a porta com facilidade
Se abriu a porta de uma liberdade
Não sinto mais o amargo da bebida
Talvez seja porque encontrei saída
Agora eu sempre acordo calado
E tomo rumo pra qualquer pecado
Dessa banana, eu quero uma metade
Desse senado, a honestidade
Do ser feliz, quero a felicidade
Pro Brasileiro, exijo a liberdade

1 compartilhamento
Inserida por CristianDeFreitas