Pedro Callou.: Poema ao Corvette. Ah se em minha...

Poema ao Corvette.

Ah se em minha juventude, tivesse tido o prazer de conhecer uma bela garota como essa, de vestido vermelho, sapatinhos trançados, olhar sedutor, um cruzar de pernas estonteante!

Ah se em 63 eu fosse vivo! Daria cores a minha imaginação!
Hoje, somente a alma sobrevive, sobrevivendo na saudade de um passado que nunca teve o prazer de conhecer, mas que mesmo nunca o tendo conhecido, carrega em si um disparate de saudades justamente por não ter vivido, mas ainda assim sentindo.

Andar pelas ruas em uma tarde fria, olhando as pessoas olharem para as curvas da sua garota, e ao invés de ciumes, sentir orgulho, ou simplesmente estar ao lado de algo com um vestido vermelho tão sublime que arranca olhares por onde passa, quando está vindo, fazer olhares se aproximarem, ao estar passando faz olhares cruzarem, ao passar faz suspiros serem soltos no ar .


Em frente a praia, tocava Dinah Washington, para celebrar a sua ida ao céu, e o teclar do piano, apesar de alegre, só deixava aquela tarde fria, ser bela por uma forma tão triste , era a beleza de um tempo, que se fazia dançar, não importando o tempo, nem a circunstância da forma que s tocava a melodia, era beleza aos olhos somente p pela beleza do tempo.

Assim se foi, algo que cinquenta e um anos depois voltaria a ser belo, pela saudade que deixou curar na tempo, que agora explode com a força de um piano, dentro dos corações dos saudosistas, voltar no tempo não podemos, mas viver lembrando ele, resgatando o que tínhamos durante ele, isso nunca ira morrer, será sempre o passado que no presente agora já futuro nos mata por dentro.

Ao tentar resgata-lo, aprendemos que não precisa ter vivido algo para sentir como ele é ou foi, o tempo por mais que destorça os anos e as coisas, será sempre o mesmo tempo, quem vai mudar durante ele somos nos, nosso corpo, nossa beleza física, porem nossa alma estará intacta, mas não imune a saudade, pois é ela que vai entrar nos nossos corações e nos morder por dentro, até que sejamos capaz de escrever ou ter algo que foi parte do passado.

Dessa forma, uma menina ao meu lado, por nome de Corvette, seria simples e puro.

Nada mais a desejar nesse momento.

Pedro Callou.

2 compartilhamentos
Inserida por pedrocallou