Gabriela Santos: Me afogando em um mar de desespero, meu...

Me afogando em um mar de desespero, meu único refúgio eram os livros. Eram eles que me mantinham flutuando na superfície, impedindo que as ondas de solidão e agonia me carregassem para as profundezas mais sombrias. Eram nas letras de outro louco que eu encontrava minha sanidade.
Logo, aquelas palavras se tornaram minhas melhores amigas. Eu fugi da minha realidade para entrar em um mundo de loucura sem volta, mas que pelo menos mantinha acesa em mim a chama da esperança que me fazia ter a coragem de colocar o rosto pra fora da escuridão, por alguns minutos e, ainda agir como uma pessoa nomal.
Com o tempo, a luz passou a me cegar. Quando se passa muito tempo sendo uma criatura noturna, você esquece de que existe uma coisa chamada amanhecer. É que ao meu ponto de vista, o amanhecer não surge para todos. Pelo menos não para mim. A noite me habita a muito tempo e ela não termina jamais.
Ver o dia nascer, significa estar preparado para mais um dia em que se segue uma rotina tediosa e desinteressante, uma rotina que nunca fez parte da minha vida. Me perco no tempo, pois o calendário já não tem mais um significado. Apenas espero que aconteça alguma coisa. Não faço ideia do quê. Mas para ser sincera, não faria diferença alguma.

1 compartilhamento
Inserida por EdnardoWitan