V3rsificar: É uma manhã fria de céu nublado lá...

É uma manhã fria de céu nublado lá fora, 1° de outubro.
E como de costume eu gosto de escrever em manhãs frias. Principalmente hoje, que acordei toda estilhaçada na cama, sem nenhuma maquiagem, e com todos os meus amigos ocupados vivendo a vida deles. Eu acordei sem nada pra contar, sem ninguém pra ligar. Procurei da maneira mais explicita dizer para mim o que eu ainda sinto por dentro. Uma dor estupidamente agonizante no estomago. O silencio tomava conta do meu quarto, eu só conseguia ouvir o barulho dos carros passando rapidamente lá fora. Eram pessoas com noites mal dormidas, apressadas para o trabalho. Com certeza era.
Passaram-se segundos, minutos até então o despertador tocou, interrompendo aquele silencio todo que habitava na minha memória. Eu já não conseguia decifrar se era um terrível pesadelo ou então se estava mesmo acordando para mais um dia de vida.
A impressão que eu tive, era de que hoje, seria mais um dia ruim, igual aos anteriores. E que só cabia a mim mesma, tentar seguir em frente. Com todos esses medos, com todas essas dificuldades que tem dentro de mim, só cabia a mim mesma, por os pés no chão e andar para frente.
Caminhei até o banheiro, joguei um punhado de água gelada no meu rosto, para talvez tentar despertar dessa nostalgia, desse turbilhão de sentimentos ainda não decifrados. Reergui-me, e me encarei no espelho embaçado, vi o meu rosto totalmente embaçado, e foi exatamente dessa maneira que eu enxerguei a minha vida naquele momento. Embaçada. E subitamente me perdi. Assim, sem fim. Eu me perdi.
Eu não estou sabendo mais que caminho seguir. É como se eu estivesse ficado cega, e não soubesse mais que caminho seguir.
Parece que eu peguei todos os atalhos errados da minha vida. Eu estou padecendo. Isso não é bom. Porque há tempos eu conseguia sorrir com a alma, e hoje. Hoje eu dou sorrisos de canto, eu brinco, eu me finjo de contente para aqueles que chegam de fora para me visitar, mas no final do dia, é sempre a mesma dor que me incomoda. Assim como a minha vida, o meu corpo também anda cansado. Porque as noticias na TV me cansa, o ar poluído me cansa, a grosseria das pessoas me cansa. Eu me canso. Eu mesma se canso de mim. E de todos os meus ossos que fazem parte do meu corpo. Eu me canso.
A infelicidade está fazendo parte do meu cotidiano, e pra ser bem sincera, não estou conseguindo reagir contra tudo isso.
Eu percebo, que os meus medos e problemas se espalham conforme os dias, e cadê aquela tal placa escrito “saída de emergência” eu preciso dela. Eu preciso sair dessa vida. Eu preciso reviver, eu preciso viver! Eu preciso voltar a respirar, eu preciso voltar a viver e deixar de existir. Eu preciso. Mas eu não consigo. Eu me sinto imobilizada diante desse contexto fora do comum que virou a minha vida.

1 compartilhamento
Inserida por V3rsificar