Vanessa Del Rey Fontana: TAO Lua serena, noite tranquila, águas...

TAO
Lua serena,
noite tranquila,
águas refletem como um espelho
minha alma dourada.
Na solidão, batalha sangrenta.
Ventos que passam astuciosamente,
ora me carregam,
ora me acariciam o rosto.
O ato de voar pertence a todos,
mas como fazê-lo graciosamente?
Diante do infinito o cansaço toma conta.
cair num labirinto de ilusões
ou enfrentar o árido deserto?
Naja, ventre venenoso rasteja sobre o pó,
pés calejados não sentem mais dor,
corpo nu ao relento.
Do cume de um monte avisto o horizonte,
céu azul e nuvens de concreto voltam a me aterrorizar.
Quebrando o silêncio um grito,
o rompimento de uma vida.
Lágrimas rolam pela face queimando como chama ardente e caem pelos pés molhando a terra.
A semente germina e ao sol queima a planta, novamente o marasmo volta a dominar.
Seguindo pegadas, notei que andava em círculos, um calor começa a corroer,
quando percebi que sob encurvados lombos a paz volta a dominar,
Então, águas paradas refletiram minha alma dourada novamente.

1 compartilhamento