Fmauro: Não sei o quê Olhai seu devaneio as...

Não sei o quê

Olhai seu devaneio as tuas estreitas, as tuas voltas.
Observando-ei suas controvérsias e suas demagogias impróprias.
O real não se observa no escuro porque é chegada a hora de abrir as vistas da real ilusão, apagada quando não condiz com o que queremos. Acende um não sei, abre-se um quê.
Positivamos desconexões nervosas e desconhecidas pelo fato do segredo, hora guardado no interior individual, do singular do óbvio.
Alinhavado pelo belo, pelo simplório e blindado com fina camada deveras ridiculada e feia, para que, por quê?
Começar num contexto salutar e complexo é propositadamente liberar um vácuo sem término. Assim, sem ater, como pesar o acontecer e completar-se num próximo e exato qualquer?
Incuba-se o sim até a realização dos pensados atos sem moldes na exatidão do existente. O não se evapora numa calda sem nexo, exteriorizando um vão incógnito devaneio a tudo e a todos.
Distorções coadunam num reto ser, na moralidade simples e normal para se ficar assim...
Manuseia-se propriamente dito... não sei o quê!!



f. mauro.

1 compartilhamento
Inserida por fmauro