Diego Felipe S. Toledo: Nunca entendi porque pessoas postavam...

Nunca entendi porque pessoas postavam textos demonstrando sua alegria ou tristeza em seus perfis de rede social, também nunca entendi porque postavam declarações de amor ou ódio em seus perfis, achava brega, cafona, desnecessário, nunca havia compreendido o sentido, sempre postei frases prontas, vídeos engraçados, uma foto ou outra com amigos, nada muito profundo, sempre algo superficial, de certa forma hoje compreendo um pouco a razão destes textos.

Todos nós temos a necessidade de transmitir alguma mensagem a terceiros, alguns o fazem com maior destreza, outros com nenhuma, alguns demonstram seu intelecto exacerbado, outros apenas expõem sua ignorância, alguns desejam expor sua alegria, uma conquista, outros buscam apenas desabafar e alguns idiotas querem aparecer...

Qual deles eu sou?

Não sei, digam os senhores...

Seja lá qual for á razão, todos temos a necessidade de expor algo a alguém, é inerente a nossa natureza, você pode até pensar: “eu não preciso fazer isso”, mas com certeza, você relata fatos da sua vida cotidiana ao menos a uma pessoa, ou a um grupo delas.

Muitos devem estar pensando: “Esse Diego deve estar ficando louco”, calma amigo, ainda não devo ser internado, ao menos penso que não, acordei com vontade de escrever, sobre o que, não sei para quem, também não sei...

Olho da janela de meu escritório as pessoas na calçada, como formigas cuidando de suas vidas, correndo de um lado ao outro, não sei quem são, para onde vão apenas as observo passar...

Tenho a sensação que em alguns momentos da minha vida estive nesta situação, “sentado observando”, como um espectador, sem iniciativa, apenas observando e aguardando o que poderia acontecer.

Determinadas situações ocorrem em nossas vidas para que possamos refletir sobre nossa curta estadia terrena, trabalhar é necessário, no entanto não devemos ser escravos de nossa profissão ou ambição profissional, dinheiro é bom e necessário, ajuda a realizar sonhos e de certa forma propicia, não a felicidade, mas o instrumento para alcançá-la, no entanto jamais deixe que ele suba a sua cabeça, tornando-o uma pessoa alienada.

Tenha poucos, mas bons amigos (e isso eu tenho!), daqueles que você pode ligar as 4:00 da manhã pedindo socorro, pois está com dois pneus furados em Santa Rita do Passa Quatro que o cara vai lá te ajudar.

Aproveite muito seu pai, sua mãe, seu avô, sua avó, eles tem muitos defeitos, mas você também tem e eles te aceitam assim, aceite eles do jeito que são ninguém é perfeito e, eles nem sempre estarão ao seu lado, aprendi isso tarde, mas ainda em tempo!

Por fim, procure ter uma “pessoa” boa ao seu lado, daquela que você possa confiar, companheira, que te acompanhe naquele restaurante extremamente elegante, mas que não irá fazer cara feia quando você parar em um boteco de beira de estrada, que queira te acompanhar naquela viagem de moto extremamente desconfortável, só para estar ao seu lado, que vibra com suas conquistas e te consola em suas derrotas, que permita que você tenha um ou dois dias com seus amigos e que você não sinta medo de permitir o mesmo a á ela, pois você confia plenamente naquela pessoa.

Diga a esta pessoa o quanto ela é importante para você, ela precisa ouvir isso, divida seus segredos, faça planos, aproveite a companhia dela, faça com que ela se sinta a pessoa mais importante e bela do mundo, isso é muito pouco diante de toda alegria que ela te proporciona e amigo pode ter certeza, falo isso com propriedade, esta pessoa nem sempre estará ao seu lado e quando ela partir será tarde para remediar, quando a ficha cai, é dolorosa, a recuperação é lenta e não existe bebida, viagem, amigo ou companhia passageira que “tape o buraco”, ele pode ser preenchido momentaneamente, mas ainda sim vai estar lá, não importa o tamanho do copo, ela não vai estar no fim dele, somente a ressaca do dia seguinte vai aparecer...

O único remédio para está ferida é o tempo, somente ele poderá cicatrizá-la e nesse momento amigo, a ampulheta do tempo é cruel, cada grão de areia cai em câmera lenta, ás horas parecem dias, os dias semanas e sabe-se lá quanto tempo vai demorar para o tempo curá-lo...

Aprendi isso da pior forma possível e posso dizer, é duro...

E pensar que tudo isso começou num fatídico 14 de abril, aniversário da minha irmã, há três anos, ainda tem mais essa pra digerir...

1 compartilhamento
Inserida por DiegoToledo