Raphael Strater: O dia em que o álcool passou a ter mais...

O dia em que o álcool passou a ter mais valor que o amor.

Não faz muito tempo, me lembro como se fosse ontem, ainda existia o sentimento nomeado de amor e eu acreditava e confiava muito nele, vivia me apaixonando e vivenciando o mesmo por várias e várias vezes, confesso, era algo muito bom.

Ele me enchia de esperança, me confortava, quem nunca se pegou rindo á toa ao ponto de estar feliz sem motivo apenas por amar alguém. Não tinha coisa melhor que atender o telefone sabendo que do outro lado estaria ela, esperando por mim assim como eu esperava por ela.

Mas, do mesmo jeito que ele surge, ele se vai, e pior, sem explicação. Quando o amor se vai tudo que resta é você, você e o seu mundo escuro, sua prisão que comporta apenas uma cela, e lá está você. Preso, vítima de sua própria dor, tentando ser forte mas não é o suficiente, pelo menos ainda não.

Você sofre durante um período porém se fortalece após tanta dor e cria uma barreira feita de pedra entre seus sentimentos e seu coração, para que um jamais volte a unir-se com o outro. Se vê completamente moldado e adepto à solidão, acompanhada de um copo de uísque ou qualquer outra bebida, não importa, isso o faz refletir e ver quão inútil o amor foi, ele nos torna vulneráveis, frágeis, exceto quando envolve familiares ou amigos, mas no caso é sempre um garota.

A bebida pode fazer compania à qualquer um, ela não julga, ela não te troca e usa pelo que você é ou tem, você usa a bebida, talvez um conforto temporário.

Posso dizer que a bebida é como um velho amigo engarrafado.

1 compartilhamento
Inserida por rstrater