Alexandre Lambertini: Entre Nós As emoções se acabam, o...

Entre Nós

As emoções se acabam, o engodo somente causa o prazer,
Prazer que toma conta dos corpos quentes na cama,
Tudo que antes fez sentido, já não importa,
Os corpos já estão se entrelaçando, buscando um súbito prazer,
Uum dilúvio de emoções passadas,
Se unem à tristezas, magoa, raiva e prazer,
Nada mais pode ferir minha cabeça,
Já calejada pensamentos ruins não abalam,
O coração com imensas cicatrizes, se torna frio e corrupto,
Obedecendo a mente, e não o que ele deseja,
Ambos buscam fundir suas necessidades passadas,
Transformando todo caos vivido em prazer,
Então nos encontramos se despindo da realidade,
Encontramos em um momento nosso,
Dois corpos buscando prazer,
Uma necessidade animal, não controlada.
Escolhas foram tomadas,
Chances desperdiçadas,
Não há culpados, e sim a culpa,
Ela ocupa atentamente nossas cabeças definindo a cada qual o seu papel de vilão,
Mas com sorte, esta que é uma fantasia solitária,
Pode transformar-se inteiramente em um milhão de realidades,
Como uma encruzilhada, onde aprovações e oportunidade se encontram ,
E se a sorte lançada, dada, que caminha e bate aos umbrais,
Aceita-la, é a sua escolha;
Mas lembre-se !
Ela não voltará.
E no final tudo acabará “bem”, os “atos”, os atos passados iram sucumbir perto de seu fim e tudo que existiu, não mais existira.
O prazer atingido,
Toda adrenalina se expandindo pelo corpo até sua explosão final,
Causando freqüências inexplicável de prazer,
O pulso o coração e pulmão,
Após explosão, se congelam e aos poucos voltam ao normal,
A respiração ofegante não existe mais,
Será substituída pela morfina que tomara conta do corpo,
E relaxa toda a tensão.

Não há lagrimas, nem mais desejos,
O sucesso desta noite nos leva a outros pensamentos,
A desistência, não há permanência,
Pensamentos que agora são distantes,
Usados como uma pratica para fugir da realidade,
Não estamos mais ali,
E no fim tudo se acaba,
Nada é mais especial, eu já tive a minha chance? Fico pensando...

E em um banho frio, tiro do corpo todo o “sabor” da amargura e prazer desta noite supostamente livro minha alma de você.
E ao fim nada existiu só uma breve história que por mais um tempo será lembrada,
E no fim, esquecida no baú de histórias,
Estas serão as ultimas lembranças,
Nada mais nos unirá,
Nem a febre nem o corpo,
Nem toda a lembraça,
Um dia separados,
O final,
As melhores histórias não se acabam em finais felizes,
Histórias reais são felizes até quando foi possível.

Sei que não se pode mudar o passado,
Mas podemos mudar o sentimentos dos fatos passados,
Para essa história, mudaremos o sentimento para cura, e não para “o fim”.
A febre, o fogo, desaparecem,
Lembranças se apagam lentamente,
Todos nós somos joguetes do destino,
Do fim, do começo até a morte,
Ninguém escapa sem riscos e cicatrizes.

Você é feliz?
Você é livre?
Vive o que sempre quis?
Fez a sua escolha certa?
Bom...
Aqui, Entre nós,
Faça sua escolha.

1 compartilhamento
Inserida por Lambertini