Ênio Giacomini de Sales: MINHA CADELA O TEMPO E O CÉU Tenho uma...

MINHA CADELA O TEMPO E O CÉU

Tenho uma cadela de 8 anos de idade cujo nome é Laika.
Sentimental como sou, resolvi dar tal nome ao animal em homenagem à cadela russa que nos anos 60 teve sacrificada a vida para o progresso da ciência. Colocada num foguete russo, serviu de cobaia às experiências espaciais da época, e o mundo todo acompanhou o sofrimento do pobre animal lutando pela vida dentro da cápsula infame.
Encontrei a Laika comendo lixo em 1997, numa noite de céu claro. Estava ela ali perto de casa, barrigudinha de vermes e tão pequenininha que cabia na palma de minha mão. Não tive dúvidas em levá-la para casa, alimentá-la, vaciná-la, enfim, adotá-la.
Os anos se passaram e Laika já trouxe ao mundo quase 30 filhotes em 4 vezes que ficou prenha. Recordo-me que uma das crias aconteceu na madrugada de 11 de setembro de 2001. Não demorou a que eu pusesse o nome de um dos dois cachorrinhos que nasceram de Bin Laden. Assim ficou e o dono que o adotou continuou com o mesmo nome. Assim, quando chega 11 de setembro não tenho que ficar lembrando somente de mortes e tristeza, mas do nascimento de uma vida, ainda que seja de um cão.
Mas, voltando ao assunto Laika, ela ficou uma cadela enorme. Acho que ela tem ancestrais Pastores Alemães, pois tem cor e estilo dos mesmos, apesar de ser uma reconhecida Vira-Lata. A minha cadela, porém é nobre. Ela sabe ouvir, ela respeita, ela me entende. Os anos se passaram e a idade do animal é diferente da nossa. Ela está ficando uma "senhora de idade". Seus pelos estão embranquecendo, os olhos estão ficando um tanto foscos e as tetas já demonstram que serviram muito bem para alimentar tantos cães. Está verdadeiramente "despeitada".
Tem uma coisa nela que me ensina bastante. Ela me olha e é como se me dissesse: "-Veja, a velhice existe... estou indo na frente para você perceber que também envelhecerá". E também já noto meus cabelos mostrando muitos fios brancos, meus amigos principiando bons "telhados" de neve, enfim, a vida se fazendo presente.
Laika faz-me pensar sobre a fruta que amadurece e sobre o tempo que não cessa. Ela cumpriu com seus instintos animais. Cresceu e procriou, tomou conta da casa e me fez companhia. Ficou alegre e triste quando adoeceu, mas luta bravamente pela vida, sem ter noção que um dia ela se extinguirá, tanto para ela como para mim.
O chato da vida é perder, mas Laika também me ensina que as coisas podem ser encontradas, como eu a encontrei. Talvéz assim eu encontre razões para pensar que exista um céu também para os animais, ou que eu encontre razões para pensar no meu próprio céu, ou algum lugar que se pareça com esse mistério que a gente coloca na mente.
Seja como for, meu cão me ensina que tudo passa, inclusive a vida, mas o sentimento persiste. É este sentimento que perpetua quando lembro-me da Laika russa.Tomara que ele continue depois do túmulo. Tomara que um dia, quando a minha Laika morrer, ela possa encontrar a Laika russa. Será que se estranharão?
Tomara que o céu exista, para eu me encontrar com os amigos que perdi e que nem embranqueceram os negros cabelos... e também aqueles cujos "telhados" ficaram brancos. Nesse dia, eu certamente estarei com minha cadela do lado e passarei a mão no seu pelo macio, que foi colo para mim em tantas noites de solidão e dor."

1 compartilhamento
Inserida por eniosales