Jefferson Loyola: Somos eu, você e um segredo “Chega à...

Somos eu, você e um segredo
“Chega à hora de dormir”, a frase que ouve de sua mãe e que a assusta. Ela odeia tanto que preferia que o dia não escurecesse ou que não houvesse noites. Nicole, com apenas treze anos de idade, já sabe bem como é a escuridão. A voz de sua mãe se repete dizendo, “Hora de dormir, criança. Vá para cama, seu pai daqui a pouco irá dar-lhe boa noite”. Aquelas palavras penetram seu corpo de uma forma intensa e faz com que sua carne fique tremula e os pelos de seu corpo arrepiem. Com um olhar triste, de quem quer dizer algo à sua mãe e não pode, ela tenta falar, mas não consegue. Sua voz não alcança um tom alto necessário para que sua mãe consiga ouvir suas suplicas. Como alguém que espera um mau presságio, ela obedece a sua mãe, vai pra o quarto e deita-se. Seu coração bate mais forte a cada passo que ela ouve a subir a escada. Prontamente ela coloca a camisola vermelha que ele tanto gosta. A porta se abre e ela vê os olhos de seu pai, que brilham intensamente vendo sua face assustada na cama. Ao puxar sua coberta, ele sorri feliz ao ver o que ela está vestindo. Olhando-a, ele diz a ela que a única coisa que deseja é um beijo de boa noite, passa a mão no seu rosto e a abraça. Apertando-a muito forte, arrancando seu ar. “Criança, você é bela, somos eu, você e um segredo”, diz ele cobiçando-a. Ela não grita mesmo sabendo que é errado, mente e respira, desejando que consiga ser forte junto de sua beleza. “Será que a minha mãe nunca soube?”, indaga-se todas as noites. É apenas uma parte que ela não pode contar, mas sobre a escuridão, ela já a conhece bem!

1 compartilhamento
Inserida por jeffersonloyola