Coleção pessoal de elibarros

21 - 40 do total de 51 pensamentos na coleção de elibarros

A minha memória ouve ainda agora as pancadas do coração naquele instante. Não esqueças que era a emoção do primeiro amor.

Dom Casmurro
19 compartilhamentos

‎"Se só me faltassem os outros, vá; um homem consola-se mais ou menos das pessoas que perde; mas falto eu mesmo, e esta lacuna é tudo."

Dom Casmurro
105 compartilhamentos

Como eu quisesse falar para disfarçar o meu estado, chamei algumas palavras cá de dentro, mas elas encheram minha boca sem poder sair nenhuma.

Dom Casmurro
50 compartilhamentos

Sim, eu me faço de forte, mas já chorei no meu quarto, em silêncio, a porta fechada, travesseiro no rosto, chorei por dentro, sofri. Mas sabe o que tudo isso resultou; nada, é preciso aprender a crescer, viver, ser ‘gente grande’ e enfrentar os próprios problemas.

Dom Casmurro
609 compartilhamentos

E com uma letra bem pequena, lá estava escrito no seu epitáfio: Tentou ser, não conseguiu; tentou ter, não possuiu; tentou continuar, não prosseguiu; e nessa vida de expectativas frustradas tentou até amar… Pois bem, não conseguiu, e aqui está.

Dom Casmurro
73 compartilhamentos

Dizem por aí, mas não tenho certeza, que meu sorriso fica mais feliz quando te vejo, dizem também que meus olhos brilham, dizem também que é amor, mas isso sim é certeza.

Dom Casmurro
495 compartilhamentos

Trata de saborear a vida; e fica sabendo, que a pior filosofia é a do choramingas que se deita à margem do rio para o fim de lastimar o curso incessante das águas. O ofício delas é não parar nunca; acomoda-te com a lei, e trata de aproveitá-la.

[Trecho do livro Memórias Póstumas de Brás Cubas]

Machado de Assis
319 compartilhamentos

Esta é a grande vantagem da morte, que, se não deixa boca para rir, também não deixa olhos para chorar...

[Trecho do livro Memórias Póstumas de Brás Cubas]

Machado de Assis
336 compartilhamentos

Talvez espante ao leitor a franqueza com que lhe exponho e realço a minha mediocridade; advirta que a franqueza é a primeira virtude de um defunto. Na vida, o olhar da opinião, o contraste dos interesses, a luta das cobiças obrigam a gente a calar os trapos velhos, a disfarçar os rasgões e os remendos, a não estender ao mundo as revelações que faz à consciência; e o melhor da obrigação é quando, a força de embaçar os outros, embaça-se um homem a si mesmo, porque em tal caso poupa-se o vexame, que é uma sensação penosa e a hipocrisia, que é um vício hediondo. Mas, na morte, que diferença! que desabafo! que liberdade! Como a gente pode sacudir fora a capa, deitar ao fosso as lentejoulas, despregar-se, despintar-se, desafeitar-se, confessar lisamente o que foi e o que deixou de ser! Porque, em suma, já não há vizinhos, nem amigos, nem inimigos, nem conhecidos, nem estranhos; não há platéia. O olhar da opinião, esse olhar agudo e judicial, perde a virtude, logo que pisamos o território da morte; não digo que ele se não estenda para cá, e nos não examine e julgue; mas a nós é que não se nos dá do exame nem do julgamento. Senhores vivos, não há nada tão incomensurável como o desdém dos finados.
Memórias póstumas de Brás Cubas

Machado de Assis
165 compartilhamentos

" O amor que tenho aos personagens dos livros é o mais sincero, porque neles conheço o real e essencial do ser, que leio, reflito e esquadrinho. O amo porque quero é não porque me engana. Lendo-o vejo suas imperfeições e suas lutas, ali registradas e compartilhadas e me esforçando mais posso ver nelas às do próprio autor e sou livre para decidir se vou amá -los ou detesta-los."

Eliane Correia

"Agora compreendo a dificuldade dos relacionamentos. Se é tão difícil aceitar nossas imperfeições, como conviver com as outras que não são suas?"

Eliane Correia
1 compartilhamento

"Deus! Quem te criou, te criticou, te limitou, te humanizou. Não creio em deus. Não no deus criatura, não no deus criado. Creio no Deus criador, tão grande que não cabe no meu pensamento, tão perfeito que não sei das suas qualidades. Ah! Creio sim nesse Deus. Não o temo, mas o amo. Tu não cabe em mim, mas sei que eu estou plenamente em Ti."

Eliane Correia
1 compartilhamento

"Meu pássaro menino. Meu pássaro pequeno. Meu pássaro querido. Meu pássaro. Te dei asas minha pequenina ave. E você se foi, voando, batendo suas lindas e perfeitas asas. E eu fiquei te olhando, te amando, te esperando. Quem sabe algum dia nossos vôos se reencontrem. Até lá meu passarinho. Vá cantando por onde passar e onde pousar. Cante e alegre os q encontrar. Assim, saberá que vale a pena voar.E eu saberei que valeu te deixar ir."

Eliane Correia
1 compartilhamento

"Quando meu coração quis falar, minha alma se calou. Emudeceu, se perdeu, enfraqueceu, se esqueceu. Foi medo, de me trair, de dizer aquilo que ainda não posso ouvir."

Eliane Correia
1 compartilhamento

Num parede branca
Uma virtude se acende
Uma vida se entende
Um amor se compreende
Um mar se banha
Um sol não se acanha
E na mesa uma toalha
Limpa, linda e clara.

Eliane Correia
1 compartilhamento

Um menino pássaro pousou no meu quintal.
Suas asas eram miúdas, mas livres.
Por isso não ficou. Bateu-as o quanto pode.
E se pôs a voar. Foi embora. Até hoje lembro do meu passarinho, pequenino e branco.
Que se foi com tanta pressa que nem tive tempo de cumprimentá-lo.

Eliane Correia
1 compartilhamento

Amor, fala-se tanto, sabe-se pouco, sente-se muito. Não creio em tipos diversos de amor.
Ele é único. Nós o ofertamos de formas distintas , em épocas diferentes.
Nossa capacidade de amar muda, a medida que nós mudamos, que o olhamos não como um sentimento, mas como O Sentimento. Excelente, puro, divino. nossa capacidade de amar, é ainda pequena porque somos crianças de coração ainda egoísta e fraco. Querendo ter mais do que dar. Mas se à medida que crescemos, liberamos nosso amor, vamos ser cheios dele. Porque é como mágica. Quanto mais ofertamos mais ele cresce em nós. Mais ele se expande para fora de nós. E nos preenche. Passamos a ser seus filhos, não seus portadores. Ele é quem nos porta, nos enche de vida e de vontade de viver. Podemos ter tudo na vida, mas sem amor não temos nada, não somos nada, não simbolizamos nada. Não é uma escolha. É a única forma de vida real. Amar. E ser amado faz parte de amar. Então, ame e deixe-se amar. Não julgue seu amor, sua forma de amor, seu jeito de amar. Não há fórmula, não há regra. Amor é amor. Aceita e acredita em todas as suas formas mais variadas. Perfeitamente imperfeita, mas sincera. Vamos ter coragem. Vamos amar!

Eliane Correia
1 compartilhamento

Tenho pensado muito na morte.
Tenho me encantado com ela.
Tememos sem a conhecer.
Rejeitamos tudo que ela nos ensina.
Olhe um conhecido em seu leito de morte.
Não tenha medo, encare-o. sinta-o, contemple-o.
Perceba a beleza do momento.
Não seja preconceituoso com ele ou ela.
É nesse momento tão marcante da vida
Na morte, que aprendemos as maiores
lições da própria vida.
Aprendemos o quanto a rejeitamos, o quanto lhe fomos cruéis e reservados, não lhe dando todas as chances de se apresentar tal qual é. E no momento da morte, incrivelmente permitimos que a vida se mostre à nós, valorosa e cheia de expectativas.
A primeira lição da vida
Não abandone à morte quem espera pela morte. Acompanhe-o, aprenda com ele, Sorria-lhe, cante, leia, fale com ele. Aprenda logo aquilo que todos nós vamos aprender um dia. Que a morte não é morte. É vida!

Eliane Correia
1 compartilhamento

AS pessoas nascem passarinhos
Vivem pássaros e
Morrem passarinhos
Em seus ninhos
Quentinhos.
lindos e suaves.
Nascemos pequenos
Morremos miúdos.

Eliane Correia

Ela se perdeu
Ele a encontrou
Entrou com ela e lá ficou
O tempo que foi necessário
Quando percebeu
Ele a puxou, ela subiu.
Ficou sem fôlego,
Mas aprende a respirar.
Está sem bomba!
Respira sozinha!
Anda só, sem muletas.
Ele diz que ela é forte, mas não era.
Uma fraca fingindo força.
Esteve entre a vida e a morte.
Acordou com ele
Cuidando como mãe
Ensinando como pai.
Aprendeu o amor.
Embora imperfeitos
Ficaram felizes
Senão para sempre, por muitas vezes!

Eliane Correia
1 compartilhamento