Coleção pessoal de carolinapires

61 - 80 do total de 72 pensamentos na coleção de carolinapires

Pimenta.

Beijar-te-ei a nuca
Morder-te-ei os lábios
Acariciar-te-ei a tez crua
Provar-te-ei meu amor com os mais afrodisíacos versos.
Ter-te-ei de corpo inteiro, pleno.
Odiar-te-ei até amar, íntegro
Mas amar-te-ei eternamente.

Carolina Pires
2 compartilhamentos

Banho de água gelada.

Abrir os olhos e ver que o sol já não ilumina a janela como outra vez, que as rosas não são mais tão galantes, que os tornozelos já não me amparam mais. Ver que as pimentas já não são mais tão picantes, nem mais tão vermelhas, que aquilo que fazia diferença parece estar me deixando para trás. Perceber que o ciúme é o inimigo dos mortais e que não vale à pena doar-se tanto por quaisquer amores.

Carolina Pires
11 compartilhamentos

Ácidos.

E obtive sede de sangue. Parada em degraus gastos arrepiei-me ao sentir a loucura escorrendo em minhas veias. Olhei aquela carcaça imunda que exalava inveja por todos os poros e percebi minhas garras alongarem-se em direção àquela jugular. Eu a mataria, juro que mataria, apenas por despeito.

Carolina Pires
3 compartilhamentos

Depravados.

E foi quando seis corpos de pecado uniram-se no mesmo quarto transpirando perversidade em gotas. Ali, naquele ambiente abafado de tanto suor cítrico, os seis, ou pelo menos três dos envolvidos, revelaram-se no mais ardente, íngreme desejo.Tornou-se ciclo vicioso.

Carolina Pires
2 compartilhamentos

Enrubescer-se.

Despertei enjoada, nada queria, nem ao menos o gosto que pode ter tocar-se um corpo masculino por nada, só por afeto. O aperto na boca do estômago. Perdi a esperteza, confiei nos versos de amor de um comprador qualquer. Seria assim ter homem depois de lidado a chama qye arde, desgasta e cessa? Saudade dos dedos que tramavam meus fios de cabelo, conhecendo a suavidade, restaurando aos poucos o saber do carinho que já havia perdido. Que bom seria encostar-me e dormir, dormir, quiçá sonhar, quem sabe. Sinto-me agoniada; cegueira. Quero respirar e deixar no ar um eco. Sem teatros, quero sentir fomes de amores, de desejos, de calores, encarnados, novamente.

Carolina Pires Campos.
2 compartilhamentos
Tags: Saudade; desejo;

Tonificar.

Amo-te no vazio,
No sigilo do sem fim.
Invisível, árduo, absorvente.

Amo-te mais tarde.
Hoje, morrendo de saudades.

Amo-te no odiar,
No olhar, no sentir, no tocar.

Amo-te agora, subentendido.
Amo-te no mortificar,
Mas odeio-te no amar.

Carolina Pires Campos
2 compartilhamentos

Alguns cigarros a menos, algumas fome a mais.

Abandonei meus maiores vícios, quanta saudade. Acho que esse conto termina por aqui. Estou a escrever poemas livres e brancos, sem rima, sem métrica, vendo fotos antigas da época que ainda nos completávamos e que juntos estávamos nas imaginações mais delirantes. Indubitavelmente, irreversivelmente, inconfundivelmente ele. Eu ainda o amo, é como ter que explicar o inexplicável. Eu o amo e ponto. É fato, é carne, é gesto, é fome. Para esquecê-lo precisava de um gesto mais ríspido para que eu pudesse detestá-lo ou temê-lo, mas não queria. Após abandonar o cigarro, abrir mão de Pedro, desistir de mim, Hellen, morri.
Pego o telefone e ele nem sequer me liga para me avisar de uma improvável volta, então eu ligo. Ele desliga. Eu ligo, ele desliga. Eu ligo, ele desliga. Eu ligo...
- Alô?!
- Oi... -... Um suspiro...
- Ainda te amo.
- Também. - Lágrima de alegria corre involuntariamente sobre meu rosto. Viver tudo de novo?... Acendi outro cigarro.

Carolina Pires Campos
2 compartilhamentos

Carne.

Corpo, calor, suspiros. Lábios, falas, fomes. Desejo, desejo, desejo. Pele, suor, carne. Dentes, unhas, bocas. Desejo, desejo, desejo. Mãos, braços, pernas. Infinitos, pés, encontros. Desejo, desejo, desejo. Segredo, perfume, chão. Ato, olhares, tato, vontade. Desejo, desejo e desejo. Era só o que ela sabia proferir...

Carolina Pires Campos
1 compartilhamento

Veneno a flor da pele.

Cientes de tudo que possa vir a ocorrer contra eles, escrevem os indignados. Aquele aroma de falsidade no ambiente deixando todos zonzos, estava tudo claro, tinha significado puro. Fumaça do fumo mais letal. Risos, convites, falas, verdades oprimidas, mentiras devassadas, máscaras caídas ao chão. Quanta ironia. Sangue frio e a vingança mais perfeita, sem deixar marcas, vestígios. Estava ali, pronta para dar o bote, verdadeira cobra malévola, sutil, perspicaz. Ínfimo instante de enfermidade. A criativa sem traços típicos agiria harmoniosamente, sem desafinar. Vibração de sons e o baque exato. Seria eu a desafiante desejada? Para que tanto pranto? Vítima, destruição súbita. O jogo inicia-se agora, a cartada precisa. Deseja-se uma boa... Permita-me dizer, má sorte.

Carolina Pires Campos
1 compartilhamento
Tags: Vingança; Suor.

Hoje não quero me retocar.

Hoje não quero me retocar, vou nesses traços secos borrados, marcas, odor na minha pele e o frio pelando meu corpo. Deixo que as águas invadam meu rosto, cortantes e que tire de mim meu ar de desgosto. Meu rosto se desfez em contraluz, virou pó. Não sei se é pra ficar exultante, mas enfim cansei dos meus desencontros, do meu descaminho, caí do berço e entreguei os pontos. Arranquei um nó engasgado no pescoço. Irresponsavelmente escrevi e nada entendi. Desatinei.

Carolina Pires Campos
2 compartilhamentos

Amar-amor.

Amar omitido, escondido por trás de um coração congelado.
Amar destoante, dissonante.
Amar profundo, na nostalgia do infinito, perene.
Amar subentendido, incontestavelmente.
Amar-amor, amar te amar.
Amar na distância, na saudade e na presença desatenta.
Amar concentrado, distraído na compleição do não-ansiado.
Amar no comparecimento, amar na carência.
Amar nos dois e no um: amar.

Carolina Pires Campos
1 compartilhamento

Contrastar.

- Senta aqui.
- Não, aqui, tocando tecidos frios, estou bem aqui.
... Para longe, deslocando-me como um raio, lampejos de azul e branco em meio a árvores, ora real, ora não, fui. Passei a alvorada toda submersa, numa natureza oscilante, não sabia ignorar. Senti-me frouxa, covarde, trocando olhares mutuamente por incalculáveis minutos, o tumulto afora ficou calado e o sossego aniquilava-me. Estava a par que ao olhar aquela carcaça eu não conseguiria não desejar nada. Eu o desejava, e muito. Já o amara antes e o cálice fora grave demais para deixar assim, puramente, passar em branco. Eco. Estava hesitante, irresoluta e desabitada.
A noite anterior foi cansativa, afoguei-me nas lágrimas, agora, mais uma vez, quase chorando, só que por exaustão, dissipação. Só o que me vale é o devaneio, assim como a claridade febril. Nos dois próximos dias sei que desandarei e encontrar-me-ei, igualmente, nos braços do amante.
Fechei a bolsa. Subi os degraus. Abri a porta dos fundos e entrei em casa, enfim. Uma ducha. A água do chuveiro corria e o vapor rodopiava, embaçando o espelho, nublando a noite de astros pálidos.

Carolina Pires Campos
1 compartilhamento
Tags: Anseios; Desejos;