Biografia de Paulo de Tarso

Paulo de Tarso

Quem foi Paulo de Tarso? 

Paulo de Tarso (5-67), também conhecido como Apóstolo Paulo, Saulo de Tarso ou São Paulo, foi um apóstolo de Cristo e um dos principais divulgadores da doutrina cristã. Dos 27 livros contidos no Novo Testamento da Bíblia Sagrada, 13 são atribuídos a São Paulo.

Pintura do Apóstolo Paulo
São Paulo escrevendo suas epístolas (1618-1620). Pintura atribuída à Valentin de Boulogne (1591-1632).

Paulo nasceu em Tarso, na Cilícia, território atual da Turquia. Seus pais, embora judeus, possuíam privilégios da cidadania romana. Ele recebeu dois nomes no nascimento: Saulo, nome hebreu, e Paulo, um nome romano.

Antes de se converter ao cristianismo, Paulo participou da perseguição das primeiras comunidades cristãs. Isto mudou após ele ter a visão de uma luz incandescente e ouvir a voz de Jesus, que lhe perguntou sobre as perseguições que os primeiros cristãos estavam sofrendo. Ele ficou cego por três dias e, após ser batizado por Ananias, recuperou a visão e dedicou sua vida a espalhar a palavra de Jesus Cristo. 

A história dos primeiros anos da vida de Paulo de Tarso

O pai de Paulo era membro da seita dos fariseus, uma das mais ortodoxas seitas judaicas. Ainda adolescente, Paulo foi para Jerusalém estudar as Escrituras e a “Lei Oral”, deduzida da Lei de Moisés, que era transmitida verbalmente de uma geração para outra e que também regulava a vida cotidiana dos fariseus.

De volta à cidade de Tarso, Paulo continuou os estudos para seguir a carreira de rabino, alternando com o trabalho de tecelagem, que realizava com o seu pai. Com os grandes eventos do cristianismo, como o anúncio do Evangelho e a morte e a ressurreição de Cristo, as ideias cristãs se propagaram rapidamente, conquistando uma legião de judeus e romanos.

Para apoiar o judaísmo, ameaçado pela nova fé, Paulo empreendeu uma marcha para Jerusalém, perseguindo os fiéis da nova religião, entrando em casas, arrastando homens e mulheres e entregando-os à prisão. 

E Saulo assolava a igreja, entrando pelas casas; e, arrastando homens e mulheres, os encerrava na prisão.

Atos 8:3

Um dos episódios mais conhecidos neste período foi a participação de Paulo no apedrejamento de Estevão, considerado o primeiro mártir do cristianismo. 

A conversão de Paulo de Tarso ao cristianismo 

A caminho da cidade de Damasco, uma das principais cidades da Síria na época, Paulo foi surpreendido por uma forte luz incandescente e ouviu a voz de Jesus, como é revelado na passagem de Atos na Bíblia: 

E, indo no caminho, aconteceu que, chegando perto de Damasco, subitamente o cercou um resplendor de luz do céu.

E, caindo em terra, ouviu uma voz que lhe dizia: Saulo, Saulo, por que me persegues?

E ele disse: Quem és, Senhor? E disse o Senhor: Eu sou Jesus, a quem tu persegues. Duro é para ti recalcitrar contra os aguilhões.

E ele, tremendo e atônito, disse: Senhor, que queres que eu faça? E disse-lhe o Senhor: Levanta-te, e entra na cidade, e lá te será dito o que te convém fazer.

E os homens, que iam com ele, pararam espantados, ouvindo a voz, mas não vendo ninguém.

E Saulo levantou-se da terra, e, abrindo os olhos, não via a ninguém. E, guiando-o pela mão, o conduziram a Damasco.

Atos 9:3-8

É revelado que Paulo ficou cego por três dias até receber a visita do discípulo de Jesus, Ananias. Com a ajuda deste discípulo, Paulo recuperou a visão e foi batizado, sendo convertido ao cristianismo.

Após este episódio, Paulo iniciou seu trabalho missionário. Nos anos seguintes, ele pregou em Damasco e viajou para Jerusalém. Paulo também realizou diversos trabalhos missionários ao longo do Mediterrâneo, onde levou a palavra de Cristo e ofereceu apoio às comunidades cristãs espalhadas ao longo daquela região. 

Paulo de Tarso empreendeu longas peregrinações levando a fé cristã, fundando igrejas e se dedicando a escrever suas Epístolas, que podem ser encontradas no Novo Testamento da Bíblia. 

Ainda nas passagens de Atos, sabemos que o Paulo de Tarso foi preso algumas vezes: por dois anos em Jerusalém e por dois em prisão domiciliar em Roma. Apesar disso, ele continuou pregando o Evangelho neste período. Não existem relatos na Bíblia sobre os detalhes da morte de São Paulo mas, de acordo com a tradição cristã, ele teria sido decapitado entre os anos de 67 ou 68, durante o reinado do Imperador Nero. 

Legado de Paulo de Tarso 

São Paulo é considerado por muitos historiadores como a figura mais importante do cristianismo depois de Jesus Cristo. Isso porque ele foi uma personalidade de grande impacto no início do movimento cristão durante o Império Romano, reunindo inimigos poderosos ao longo da vida para espalhar a palavra de Jesus Cristo 

As cartas de Paulo que sobreviveram e foram enviadas às várias igrejas que ele fundou tiveram uma enorme influência no cristianismo. Suas epístolas se relacionam com o nascimento do cristianismo enquanto movimento sócio-cultural e religioso e servem também como fontes históricas para diversos historiadores. 

Paulo de Tarso foi um dos protagonistas de todo o processo que levou a formação do movimento cristão no Mundo Antigo e muitos religiosos o veem como o primeiro teólogo cristão, pois Paulo apresentou cuidadosamente as doutrinas cristãs, como a natureza da graça, da santificação e da conversão através da história de Jesus Cristo. 

De acordo com o livro, Paulo de Tarso - Grego e Romano, Judeu e Cristão: “o percurso biográfico do apóstolo não só segue pari passu o de Cristo como se apresenta com uma vitalidade própria de qualquer herói da Antiguidade.”

Acervo: 60 frases e pensamentos de Paulo de Tarso.

Frases e Pensamentos de Paulo de Tarso

Ainda que eu falasse as línguas dos homens e dos anjos, e não tivesse amor, seria como o metal que soa ou como o címbalo que retine.
E ainda que tivesse o dom de profecia, e conhecesse todos os mistérios e toda a ciência, e ainda que tivesse toda fé, de maneira tal que transportasse os montes, e não tivesse amor, nada seria.
E ainda que distribuísse todos os meus bens para sustento dos pobres, e ainda que entregasse o meu corpo para ser queimado, e não tivesse amor, nada disso me aproveitaria.
O amor é sofredor, é benigno; o amor não é invejoso; o amor não se vangloria, não se ensoberbece,
não se porta inconvenientemente, não busca os seus próprios interesses, não se irrita, não suspeita mal;
não se regozija com a injustiça, mas se regozija com a verdade;
tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta.
O amor jamais acaba; mas havendo profecias, serão aniquiladas; havendo línguas, cessarão; havendo ciência, desaparecerá;
porque, em parte conhecemos, e em parte profetizamos;
mas, quando vier o que é perfeito, então o que é em parte será aniquilado.
Quando eu era menino, pensava como menino; mas, logo que cheguei a ser homem, acabei com as coisas de menino.
Porque agora vemos como por espelho, em enigma, mas então veremos face a face; agora conheço em parte, mas então conhecerei plenamente, como também sou plenamente conhecido.
Agora, pois, permanecem a fé, a esperança, o amor, estes três; mas o maior destes é o amor.

Paulo de Tarso
Bíblia Sagrada. 1 Coríntios 13:1-13

Nota: Tradução de João Ferreira de Almeida (Atualizada)

...Mais

Ainda que eu falasse a língua dos homens, e falasse a língua dos anjos, sem amor, eu nada seria.

Paulo de Tarso
, Bíblia, 1 Coríntios 13

Todas as coisas me são lícitas; mas nem todas convêm.

Paulo de Tarso
Bíblia Sagrada. 1 Coríntios 6:12

Nota: Tradução de João Ferreira de Almeida (Revista e Atualizada)

...Mais

Ainda que eu fale todas as línguas dos homens e dos anjos, se não tiver amor sou como o bronze que soa ou o sino que retine... mesmo que tivesse toda a fé a ponto de transportar montanhas, se não tiver amor, não serei nada.

Paulo de Tarso

Nota: Trecho de 1 Coríntios13:1-2.

O amor é paciente, é bondoso; o amor não é invejoso, não é arrogante, não se ensoberbece, não é ambicioso, não busca os seus próprios interesses, não se irrita, não guarda ressentimento pelo mal sofrido, não se alegra com a injustiça, mas regozija-se com a verdade; tudo desculpa, tudo crê, tudo espera, tudo suporta.

Paulo de Tarso

Nota: Adaptação de 1 Coríntios 13:4-7.