Biografia de Miguel Torga

Miguel Torga

Miguel Torga nasceu em São Martinho de Anta, Vila Real, Portugal, no dia 12 de agosto de 1907. Ingressou no Seminário de Lamego, mas com 13 anos emigrou para o Brasil, onde trabalhou na fazenda de um tio, em Minas Gerais. De volta a Portugal, em 1925, cursou o Liceu e em seguida ingressou no curso de Medicina, em Coimbra.

Em 1928 estreou na literatura com o volume de poesias “Ansiedade”. Em 1930, ainda na poesia, publicou “Rampa” (1930). Em 1933 concluiu o curso de Medicina e passou a exercer a profissão em sua cidade natal. Em 1941 muda-se definitivamente para Coimbra. Com sua personalidade individualista, não se ligou a nenhuma escola literária, nem manteve contato com os círculos culturais portugueses.

Em suas obras Miguel Torga mostra a forte ligação com sua terra natal, com Portugal e mesmo com a Península Ibérica. Reflete as apreensões e angústias de seu tempo. Sua denúncia dos crimes da Guerra Civil Espanhola e de Franco valeu-lhe a apreensão de algumas de suas obras pela censura e mesmo sua prisão pela polícia portuguesa.

Contista, romancista, ensaísta e dramaturgo, escreveu mais de cinquenta obras, entre elas, destacam-se: “Contos da Montanha” (1941), “O Senhor Ventura” (1943), “Libertação” (1944), “Vindima” (1945), “O Paraíso” (1949), “Portugal” (1950), “Poemas Ibéricos” (1952) e “Penas do Purgatório” (1954). Faleceu em Coimbra, Portugal, no dia 17 de janeiro de 1995.

Acervo: 36 frases e pensamentos de Miguel Torga.

Frases e Pensamentos de Miguel Torga

Recomeça... se puderes, sem angústia e sem pressa e os passos que deres, nesse caminho duro do futuro, dá-os em liberdade, enquanto não alcances não descanses, de nenhum fruto queiras só metade.

Miguel Torga
6.1 mil compartilhamentos

Súplica

Agora que o silêncio é um mar sem ondas,
E que nele posso navegar sem rumo,
Não respondas
Às urgentes perguntas
Que te fiz.
Deixa-me ser feliz
Assim,
Já tão longe de ti como de mim.

Perde-se a vida a desejá-la tanto.
Só soubemos sofrer, enquanto
O nosso amor
Durou.
Mas o tempo passou,
Há calmaria...
Não perturbes a paz que me foi dada.
Ouvir de novo a tua voz seria
Matar a sede com água salgada.

Miguel Torga
311 compartilhamentos

Sísifo

Recomeça....
Se puderes
Sem angústia
E sem pressa.
E os passos que deres,
Nesse caminho duro
Do futuro
Dá-os em liberdade.
Enquanto não alcances
Não descanses.
De nenhum fruto queiras só metade.

E, nunca saciado,
Vai colhendo ilusões sucessivas no pomar.
Sempre a sonhar e vendo
O logro da aventura.
És homem, não te esqueças!
Só é tua a loucura
Onde, com lucidez, te reconheças...

Miguel Torga
2.3 mil compartilhamentos

Agora,
o remédio é partir discretamente,
sem palavras,
sem lágrimas,
sem gestos.
De que servem lamentos e protestos,
contra o destino?

Miguel Torga
367 compartilhamentos

Só havia três coisas sagradas na vida: a infância, o amor e a doença. Tudo se podia atraiçoar no mundo, menos uma criança, o ser que nos ama e um enfermo. Em todos esses casos a pessoa está indefesa.

Miguel Torga
135 compartilhamentos