Erasmo Shallkytton

26 - 50 do total de 292 pensamentos de Erasmo Shallkytton

A vaidade de uma mulher é cuidar da beleza e esquecer a idade.

Erasmo Shallkytton
2 compartilhamentos

The life fills spaces of the time and the universe.

Erasmo Shallkytton
2 compartilhamentos

O pânico e o terror são as armas mais simples e perigosas que possui um extremista.

Erasmo Shallkytton
3 compartilhamentos

CORDÃO DO BOLA PRETA - O VERDADEIRO CARNAVAL CARIOCA


Às nove horas de terça-feira no Rio de Janeiro,
Na Capital da Cidade Maravilhosa, toda airosa,
O calendário marcava o dia vinte e dois de janeiro,
Lágrimas transformadas em chuvas são dolorosas.

Espinhos traiçoeiros que exterminam a alegria,
O Cordão do Bola Preta é ceifado com despejo,
Oficiais de Justiça cumprem ordem judicial,
Emanado da trigésima oitava vara cívil.

Entregam a posse mansa e pacífica ao Condomínio,
O guardião mais antigo bloco carnavalesco do Rio,
Derramam nos semblantes noventa anos de glórias,
Recolhem seus pertences olhando as belezas do Rio.

Dívida se paga com o dinheiro e a cultura com a educação,
Nem mesmo o Estado e tão pouco a Prefeitura de César Maia,
Detentores de todos e quaisquer galardões, silenciaram,
A morte súbita do Patrimônio da Cidade do Rio de Janeiro.

Não importa o mérito da questão e tão pouco a malsinada decisão,
Que aflorou em pleno mês de carnaval todos os foliões,
Desencadearam no Terceiro andar da Rua 13 de maio, frustrações,
No Quartel General do Carnaval Carioca, é puríssima traição.

Oh Cordão do Bola Preta nem mesmo a dinheirama valeu,
Lastreado pelo entusiasta Francisco Brício, não tivera valor,
Com dignidade e bravura no ano cinqüenta, ele comprou,
E o Condomínio do Edifício Municipal com invídia arrematou.

Detentores de todos e quaisquer galardões, silenciaram,
É por isso que vamos cantar neste carnaval a marchinha,
Em homenagens aos Imperadores Tibério e Calígula,
“Se você fosse sincera, ôôô – Aurora”


Mais o sonho não acabou o Bola Preta vai às Ruas,
Os deuses do Olimpo abre-alas no Rio de Janeiro,
Nos clubes, botecos, bairros, avenidas e shoppings,
Porque Nelson Barbosa e Vicente Paiva ordena a marcha.

Então vamos cantar, pular e agitar,
O Hino glorioso do Cordão do Bola Preta

Quem não chora não mama

Segura, meu bem, a chupeta
Lugar quente é na cama
Ou, então, no Bola Preta
(bis)

Vem pro Bola, meu bem, com alegria infernal
Todos são de coração, todos são de coração
Foliões do carnaval, foliões do carnaval sensacional!



Se o leitor quiser cantar e pular,
Aqui está a minha marchinha: uma tentação.



VEM, MOÇA BONITA (marcha de carnaval)

http://www.shallkytton.com/visualizar.php?idt=163742

Blaf, blef, blif, blof, bluf
É você que vou amar

Blaf, blef, blif, blof, bluf
É você que vou amar

Na hora que você chegar
Eu vou logo lhe chamar
Vem, pro Bola Preta
Vem, pro meu carnaval
Do Rio de Janeiro
O ano inteiro é tradicional.

Blaf, blef, blif, blof, bluf
É você que vou amar

Vem, moça bonita
Vem, pular o carnaval
Tô te esperando no Bola Preta
E não demora que vai ser muito legal.

Blaf, blef, blif, blof, bluf
É você que vou amar

Vem, moça bonita
Vem, pular o carnaval
Tô te esperando no Bola Preta
E não demora que vai ser muito legal

Blaf, blef, blif, blof, bluf
É você que vou amar

Blaf, blef, blif, blof, bluf
É você que vou amar

Erasmo Shallkytton
Inserida por Shallkytton
1 compartilhamento

O DIA DAS CRIANÇAS E O MARTIM PESCADOR



Naquela manhã de doze de outubro, André, um menino de apenas seis anos de idade acordara cedo na esperança de receber logo o presente do Dia das Crianças. Ao passar pela pequena varanda, observa no alpendre a gaiola dependurada com o pássaro Martim Pescador, cujo brilho colorido e esverdeado nas asas, suspendendo em todos instantes a fina película que revestem o globo ocular com a presença do guri ao seu lado.

Inerte, o pássaro apenas acompanha os olhares do pequeno, transmitindo a tristeza no canto das talas do engradado. Logo, inquieto e curioso indaga:

- Hei! Amiguinho. Por qual motivo você está triste? Eu ainda não ouvir você cantar. Sabe. Hoje é um dia especial, é o dia das Crianças.

O passarinho levemente e sem pressa, mergulhado na melancolia suspende a sua plumagem verde-azulada, responde:

-Vejas! Eu estou aprisionado neste cubículo. Não posso viver, não posso cantar, não posso voar e muito menos pescar no riacho.

As palavras ditas com comoção invadem a alma de André, residente na localidade ruralista do segundo Distrito da cidade de Caxias, Estado do Maranhão, denominada de Sambaída. Instantes em que fala com um tom abreviado e candente.

-Amiguinho! Não fique triste. Aqui é seu lar. Nada, nada mesmo há de faltar pra você. Agora, abras as suas asas bonitas e solte o belo canto.

O Martim Pescador desanimado exclama:

-Como eu posso voar! Eu não me adaptei olhando o vazio nestas grades. Não enxergas que estou preso, e sem a minha liberdade? Eu nasci pra voar entre os vales dos rios e riachos.

Ininterrupto, o menino afirma tentando aviventar o passarinho.

-Mas o meu pai lhe trata muito bem. Aqui não falta nada pra você, além de está protegido dos predadores.

Com razão, o Martim Pescador induz com interrogação:

-Amiguinho! Você gostaria de ficar num cárcere, e depois, ficar olhando todos os dias o reflexo do sol pelas fendas de uma grade? Inclusive, sem poder passear pelos parques, bosques, ruas e não desfrutar das brincadeiras com os amigos? Vejas como eu me encontro tão isolado do meu mundo.

O garotinho ficou calado. E, várias gotículas escorregaram das pupilas castanhas na face, neutralizando a alma inocente do miúdo que não se conteve. A expressão caótica fizera a pequena criança compreender a razão e a luz enviada pelo pássaro no sentido da melancolia atravessada entre as talas da gaiola.

Momentos, André pressente a chegada do pai, surpreendendo com uma enorme caixa envolvida com papel de presente, perguntando:

-Pai! É o meu presente?

-Sim. Aqui está o seu presente pelo Dia das Crianças. É o presente que você sonhou. Qual é a razão de você está deprimido? O que aconteceu? Fale. Você não gostou do presente?

-Gostei pai. Só que eu quero fazer uma troca. O senhor aceita a minha proposta?

- Que proposta meu filho! O que você quer realmente trocar? Que troca é essa? Na verdade, eu não estou lhe entendendo, comprei o que você mais queria ganhar no dia de hoje.

-Pai. Dê esse presente para o Zezinho da tia Mundica. Ele não tem pai e nem mãe, e o dinheiro do coco da tia não dá pra compra um presente.

Insatisfeito com a indicação ofertada, o pai reclama.

-Isso não dá pra fazer. É um presente caro e me custou mais de seis diárias de serviço aos olhos do sol.

-Eu sei que custou caro. Mais o senhor pode fazer e cumprir o meu pedido. Trocando o presente pela liberdade do Martim Pescador. Tenho certeza que não vai custar nada abrir a gaiola. Retrucou o apucado guri tentando esclarecer.

Indignado ao ouvir a proposta, afirma:

-Isso eu não posso fazer. Você pede pra dá o presente pro Zezinho, e depois me pede pra soltar o Martin Pescador. Impossível.

-Solte papai! Solte o Martim Pescador! Ele é tão jovem pra ficar preso nesta gaiola. Que malfazejo ele fez pra não ter a sua liberdade. Solte! Insiste o menino.

-Ah filho! Depois resolveremos esse problema. Hoje é o seu dia e vamos deixar isso de lado. Passarinho é passarinho, aí fora já tem demais, e não fará falta um na gaiola.

O meninote ainda persiste, suplicando:

-Solte papai! Por favor! Pelo menos me faça hoje feliz já que é o meu dia. Deixe ele voar pelos céus e banhar no Riacho dos Cocos. É lá que ele mora.

-Não filho. Se eu soltar nunca mais eu vou ter um Martim Pescador. Eu adoro esse pássaro.

As lágrimas pela segunda vez se arrastam naquele semblante envolvido pela soltura do pássaro. E André esfrega os olhos com a mão direita lastimando.

-Pai! Veja como ele está triste. Não canta e não se alimenta. Olha! Eu prefiro vê a sua liberdade do que assistir todos os dias da minha vida a sua tristeza na gaiola. Solte! Ele vai viver mais feliz na natureza. Eu sei que outros presentes eu posso ganhar. Mas por favor, me dê este presente pelo o dia das Crianças.

Retraído, o pai do menino se afasta e vai ao encontro do Martim Pescador, abrindo a porta da gaiola. Momento, em que o passarinho voa pela casa, abrindo o seu belo canto e agradecendo o gesto humilde do pequeno amado.

Naquele mesmo dia, à tarde com o sol brilhante e o céu todo azulado. André se dirige ao Riacho dos Cocos. Em pé, observa a descida da correnteza quando surge o Martim Pescador fazendo lindas acrobacias no ar. Com a beleza das plumas esverdeadas, desce velozmente na direção do riacho na posição em que dorme o sol até desaparecer dos olhos do guri.

Inesperadamente, aponta o pássaro percorrendo o contorno do riacho com o mágico bico, e num único vôo rasante, mergulha e sobe com maestria carregando uma enorme traíra. Cujo feito, rebate e atordoa o peixe nas galhas secas tentando acalmar, e traçando com elogio, arremessa aos pés do garotinho. E diz:

-Boa tarde meu André! Eis o seu presente pela passagem do Dia das Crianças. É uma grande traíra. Pois, é tudo o que posso ofertar como um presente pelo bom menino que você é.

André ficou deslumbrado com tamanha gratidão do pássaro realizando transposições e sobrevoando com magníficas acrobacias. Em seguida, voou e pousou num galho de árvore seco ao lado do barranco do riacho e cantou.

Sorrindo, André acenou com a mão direita enquanto o Martim Pescador, o guardião do Riacho dos Cocos afirmava com felicidade o seguinte:

-Que a liberdade do pássaro é voar e a do homem é manter a boa relação e o equilíbrio com tudo o que há natureza.
fim
www.shallkytton.com

Erasmo Shallkytton
Inserida por Shallkytton
1 compartilhamento

Se a estrela brilha no céu, é fruto dos meus olhos em ser criança.

Erasmo Shallkytton
Inserida por Shallkytton
1 compartilhamento

O meu maior presente é ficar ao lado dos meus pais na plenitude do sossego.

Erasmo Shallkytton
2 compartilhamentos

CRIANÇAS – MAIORES VÍTIMAS


Sou apenas uma criança que o mundo não soube me esconder das atrocidades.

Erasmo Shallkytton
Inserida por Shallkytton
1 compartilhamento

CRIANÇAS X GUERRAS

Não conheço a dor e nem a guerra, mais sou vítima dela em todos os tempos.

Erasmo Shallkytton
Inserida por Shallkytton
1 compartilhamento

A CRIANÇA E O AMANHÃ

Como criança, eu sou o futuro das gerações que nasce todas as manhãs.

Erasmo Shallkytton
Inserida por Shallkytton
1 compartilhamento

SER CRIANÇA

Se um dia eu vencer na vida, vou recordar sempre que já fui uma criança assim como as outras de qualquer lugar do mundo.

Erasmo Shallkytton
Inserida por Shallkytton
1 compartilhamento

UM DIA FUI CRIANÇA

Já fui criança e a minha pobreza não está no meu corpo e nem na alma, porém, nos meus olhos quando me abandonam.

Erasmo Shallkytton
Inserida por Shallkytton
1 compartilhamento

MAIS PERFEITO

O melhor presente da vida é a minha história de criança.

Erasmo Shallkytton
Inserida por Shallkytton
1 compartilhamento

Nas montanhas do Paquistão


Nas montanhas do Paquistão, um repórter da Al Jazeera conversa com Osama Bin Laden.

-E aí Osama! O que achas da crise financeira dos EUA?

-É sem precedente, mais terrível do que o dia 11 de setembro. Não haverá mais a potência do mundo americano, tudo está em liquidação, e os seus ativos não valem um bombom. Amigo! Ninguém é tão forte pra segurar essas guerras na manutenção bestial que fez Busch. Vi milhares de mísseis que custaram milhões de dólares sendo lançados contra supostas cavernas, uma brincadeira americana nos vales e areias dos desertos asiáticos. Assim, o Fed (Federal Reserve) não agüenta. Afinal, eu estou aqui com as minhas reservas, e não tenho crise, vou andando a cavalo.

Erasmo Shallkytton
Inserida por Shallkytton
1 compartilhamento

EUA - CHORA NA MAIOR DEPRESSÃO FINANCEIRA

O pessimismo financeiro aglomera a crise,
Com a desvalorização é manchete de jornal,
É como um suposto vírus que se dissemina,
Por toda a rede da corporação mundial.

Desponta como uma bola do grande Everest,
Não há mais quem o segure sem ativo ou razão,
Especulação lançada à sorte, tudo gera risco,
Nas enfermidades dos países subdesenvolvidos.

Flutuações cambiais leoninas e desastrosas,
Refletem em várias nações com desvalorização,
O dinheiro escrito em papéis podres é um micro,
Atravessando conseqüências de atos criminosos.

Numa massa globalizada alguém pagará a conta,
Dum comportamento com veias abertas e sanguinárias,
Na maior bancarrota é praxe de quem lida com imunidade,
Assoprando um terror maior que o onze de setembro.

Bilhões e bilhões de dólares voaram sem rumo,
Da fortaleza espalhada por quase todo o mundo,
Grandes empresários nas megas empresas,
Deixa até mesmo o camelô desconfiado.

E nem com isso surtiu o efeito da crise bancária,
Que vai assolando os vértices escondidos das quebras,
No volume de papéis financeiros desvalorizados,
Casando-se com ativos imprestáveis da nação the world.

É mais um calote com mais uma grande atração,
E quem sofre as migalhas, são os pequenos,
Que nada devem ou tem com valorização,
Mais participam de um mundo globalizado.

O povo americano não é investidor desse calote,
E não poderá pagar às duras penas com o suor,
Os investimentos mal aplicados que hoje sofrem,
Com tantos mísseis lançados no ar do Iraq,
Além de agonizar o pobre país do Afeganistão.

E por aí, sai mil e umas estórias e histórias:

“Joãozinho não recebeu o seu salário,
Vencido com atraso no dia 23 de setembro
O patrão guardou o dinheiro em casa,
Afirmou que o banco cortou os créditos,
E por isso está sem qualquer dinheiro”.

Mais um logro dos que tem a arte de caloteiro,
Assim como Busch, o grande encrenqueiro,
Posso até está enganado, mais isso é político,
E versa sobre sintomas para o novo politiqueiro,
Futurista Presidente Obama que não é Osama..

Erasmo Shallkytton
2 compartilhamentos

SHREEYA BAJRACHRYA – A DEUSA KUMARI VIVA DO NEPAL

Nas correntes das Cordilheiras do Himalaia,
Fincado aos pés do fabuloso Monte Everest,
Entre tantas belezas espalhadas em Nepal,
Onde a luz do misticismo é arte de viver.

É a nova deusa-viva de toda a Kathmandu,
Venerada no trono com seis anos de idade,
Não poderás chorar e muito menos sorrir,
Nesta dinastia de suntuosidade, terás saudades.

Ó Shreeya! Os olhos cruzarão os tapetes vermelhos,
Entre velas acessas serás sempre adorada,
No palácio dourado de madeira trabalhada,
Baterá um coração de menina feliz.

Amada em todos os minutos dos teus olhos,
De um reinado com lindas oferendas,
No trono eleito a majestosa nina mimada,
Banhará nas manhãs com preces e rituais.
Coberta de jóias, assim, é uma deusa-viva Kumari.

Erasmo Shallkytton
Inserida por Shallkytton
1 compartilhamento

AMO-TE COM PROFUNDEZA


Confesso-te que o meu amor é profundo,
É como uma larga extenção de água do mar,
Transparente e firme, verde ora todo azul,
Às vezes cinzento quando não posso te amar.

Neste oceano exposto na melhor inclinação,
Arrasta o meu coração com imensa oblação,
Sacudindo em ondas a nossa íntima afeição,
Absorvendo no fundo do mar essa aclamação.

Em viagens e sonhos, navegaremos no azul,
Rodeando o planeta sem rumos e horizontes,
Na aventura náutica sem bússola será só amor,
Do ribeirinho que aflige nos lábios com beijos.

Milhas e milhas marítimas serão os desejos,
Rematando as salinas em nossos corpos quentes,
Provocam súplicas sem quaisquer embargos,
Alarido das águas balança todo o meu ente.

Farei como Júlio Verne no meio oceânico,
Nos portos avistarei novas agulhas magnéticas,
Fixando somente no teu olhar a vastidão do além,
Imergindo a deusa que me faz tanto sonhar.

Com a forte iluminação das minhas pupilas,
Dar-te-ei a com prazer a mais bela lua de Júpiter,
E Ganimedes será sempre a mais bela lua,
Que somará nestas águas o eterno desejo de ter.

A dona do amabilíssimo ser navegante,
Neste oceano exposto na melhor inclinação,
Arrasta o meu coração com imensa oblação,
Considerável exame de sentimentos e dedicação.

Erasmo Shallkytton
Inserida por Shallkytton
1 compartilhamento

O PROFESSOR E A MÁQUINA

No pretérito, os educadores gozavam de prestígios, na contemporaneidade são desvalorizados com trilhas futuristas na substituição pelas máquinas

Erasmo Shallkytton
Inserida por Shallkytton
1 compartilhamento

O professor e os alunos são como o ar que respiramos: sem eles não haverá desdobramento da sabedoria.

Erasmo Shallkytton
149 compartilhamentos

Mesmo que a máquina venha substituir o professor no amanhã, esta não será capaz de germinar idéias e sugestões.

Erasmo Shallkytton
213 compartilhamentos

A maior glória de um professor é sentir que os seus alunos tornaram-se grandes homens.

Erasmo Shallkytton
Inserida por Shallkytton

PROFESSOR – O ÊXTASE INVISÍVEL

Na sala de aula, o mestre é prudente, mesmo com problemas do cotidiano ninguém é capaz de observar as suas dores.

Erasmo Shallkytton
Inserida por Shallkytton
1 compartilhamento

PROFESSOR – REALIDADE DA VIDA

A doutrina é para os mestres, e a lição é o mais douto caminho da verdade.

Erasmo Shallkytton
Inserida por Shallkytton
1 compartilhamento

PROFESSOR – UMA LUTA CONTÍNUA

Os homens nunca aprenderam a valorizar a sabedoria dos mestres, por isso, declinam na arte de educar.

Erasmo Shallkytton
2 compartilhamentos

O que o professor faz é tão divino que não carece de inteligência, e sim o dom de aperfeiçoar os seus alunos.

Erasmo Shallkytton
79 compartilhamentos