Terça-feira

Cerca de 75 frases e pensamentos: Terça-feira

Terça-feira, 2 de Setembro de 2008
Salvando o mundo

Você não pode acolher todas as pessoas em teus braços. Não pode desejar salvar o mundo sozinho. E também não pode ater-se em tentar salvar uma pessoa todas as vezes que ela quiser colocar a mão no fogo.
Algumas pessoas só aprendem quando se queimam, e neste momento aprendem a desviarem-se do fogo sozinhas, sem ser necessário que te preocupes com elas.
Claro, que é muito bom ajudar as pessoas, mas nos incêndios que assolam nosso mundo, nossas vidas, deixar que cada um faça a sua parte implica em deixar que cada um cuide de si, também.
Alguém precisa ser capaz de levantar para permitir que você possa estender a mão a outro, e à medida que as pessoas vão levantando, você deixa de ter uma preocupação para ganhar um aliado.

Augusto Branco
45 compartilhamentos

Terça-Feira Gorda

De repente ele começou a sambar bonito e veio vindo para mim. Me olhava nos olhos quase sorrindo, uma ruga tensa entre as sobrancelhas, pedindo confirmação. Confirmei, quase sorrindo também, a boca gosmenta de tanta cerveja morna, vodca com coca-cola, uísque nacional, gostos que eu nem identificava mais, passando de mão em mão dentro dos copos de plástico. Usava uma tanga vermelha e branca, Xangô, pensei, Iansã com purpurina na cara, Oxaguiã segurando a espada no braço levantado, Ogum Beira-Mar sambando bonito e bandido. Um movimento que descia feito onda dos quadris pelas coxas, até os pés, ondulado, então olhava para baixo e o movimento subia outra vez, onda ao contrário, voltando pela cintura até os ombros. Era então que sacudia a cabeça olhando para mim, cada vez mais perto.

Eu estava todo suado. Todos estavam suados, mas eu não via mais ninguém além dele. Eu já o tinha visto antes, não ali. Fazia tempo, não sabia onde. Eu tinha andado por muitos lugares. Ele tinha um jeito de quem também tinha andado por muitos lugares. Num desses lugares, quem sabe. Aqui, ali. Mas não lembraríamos antes de falar, talvez também nem depois. Só que não havia palavras. havia o movimento, a dança, o suor, os corpos meu e dele se aproximando mornos, sem querer mais nada além daquele chegar cada vez mais perto.

Na minha frente, ficamos nos olhando. Eu também dançava agora, acompanhando o movimento dele. Assim: quadris, coxas, pés, onda que desce, olhar para baixo, voltando pela cintura até os ombros, onda que sobe, então sacudir os cabelos molhados, levantar a cabeça e encarar sorrindo. Ele encostou o peito suado no meu. Tínhamos pêlos, os dois. Os pêlos molhados se misturavam. Ele estendeu a mão aberta, passou no meu rosto, falou qualquer coisa. O quê, perguntei. Você é gostoso, ele disse. E não parecia bicha nem nada: apenas um corpo que por acaso era de homem gostando de outro corpo, o meu, que por acaso era de homem também. Eu estendi a mão aberta, passei no rosto dele, falei qualquer coisa. O quê, perguntou. Você é gostoso, eu disse. Eu era apenas um corpo que por acaso era de homem gostando de outro corpo, o dele, que por acaso era de homem também.

Eu queria aquele corpo de homem sambando suado bonito ali na minha frente. Quero você, ele disse. Eu disse quero você também. Mas quero agora já neste instante imediato, ele disse e eu repeti quase ao mesmo tempo também, também eu quero. Sorriu mais largo, uns dentes claros. Passou a mão pela minha barriga. Passei a mão pela barriga dele. Apertou, apertamos. As nossas carnes duras tinham pêlos na superfície e músculos sob as peles morenas de sol. Ai-ai, alguém falou em falsete, olha as loucas, e foi embora. Em volta, olhavam.

Entreaberta, a boca dele veio se aproximando da minha. Parecia um figo maduro quando a gente faz com a ponta da faca uma cruz na extremidade mais redonda e rasga devagar a polpa, revelando o interior rosado cheio de grãos. Você sabia, eu falei, que o figo não é uma fruta mas uma flor que abre pra dentro. O quê, ele gritou. O figo, repeti, o figo é uma flor. Mas não tinha importância. Ele enfiou a mão dentro da sunga, tirou duas bolinhas num envelope metálico. Tomou uma e me estendeu a outra. Não, eu disse, eu quero minha lucidez de qualquer jeito. Mas estava completamente louco. E queria, como queria aquela bolinha química quente vinda direto do meio dos pentelhos dele. Estendi a língua, engoli. Nos empurravam em volta, tentei protegê-lo com meu corpo, mas ai-ai repetiam empurrando, olha as loucas, vamos embora daqui, ele disse. E fomos saindo colados pelo meio do salão, a purpurina da cara dele cintilando no meio dos gritos.

Veados, a gente ainda ouviu, recebendo na cara o vento frio do mar. A música era só um tumtumtum de pés e tambores batendo. Eu olhei para cima e mostrei olha lá as Plêiades, só o que eu sabia ver, que nem raquete de tênis suspensa no céu. Você vai pegar um resfriado, ele falou com a mão no meu ombro. Foi então que percebi que não usávamos máscara. Lembrei que tinha lido em algum lugar que a dor é a única emoção que não usa máscara. Não sentíamos dor, mas aquela emoção daquela hora ali sobre nós, eu nem sei se era alegria, também não usava máscara. Então pensei devagar que era proibido ou perigoso não usar máscara, ainda mais no Carnaval.

A mão dele apertou meu ombro. Minha mão apertou a cintura dele. sentado na areia, ele tirou da sunga mágica um pequeno envelope, um espelho redondo, uma gilette. Bateu quatro carreiras, cheirou duas, me estendeu a nota enroladinha de cem. Cheirei fundo, uma em cada narina. Lambeu o vidro, molhei as gengivas. Joga o espelho no mar pra Iemanjá, me disse. O espelho brilhou rodando no ar, e enquanto acompanhava o vôo fiquei com medo de olhar outra vez para ele. Porque se você pisca, quando torna a abrir os olhos o lindo pode ficar feio. Ou vice-versa. Olha pra mim, ele pediu. E eu olhei.

Brilhávamos, os dois, nos olhando sobre a areia. Te conheço de algum lugar, cara, ele disse, mas acho que é da minha cabeça mesmo. Não tem importância, eu falei. Ele falou não fale, depois me abraçou forte. Bem de perto, olhei a cara dele, que olhada assim não era bonita nem feia: de poros e pêlos, uma cara de verdade olhando bem de perto a cara de verdade que era a minha. A língua dele lambeu meu pescoço, minha língua entrou na orelha dele, depois se misturaram molhadas. Feito dois figos maduros apertados um contra o outro, as sementes vermelhas chocando-se com um ruído de dente contra dente.

Tiramos as roupas um do outro, depois rolamos na areia. Não vou perguntar teu nome, nem tua idade, teu telefone, teu signo ou endereço, ele disse. O mamilo duro dele na minha boca, a cabeça dura do meu pau dentro da mão dele. O que você mentir eu acredito, eu disse, que nem na marcha antiga de Carnaval. A gente foi rolando até onde as ondas quebravam para que a água lavasse e levasse o suor e a areia e a purpurina dos nossos corpos. A gente se apertou um conta o outro. A gente queria ficar apertado assim porque nos completávamos desse jeito, o corpo de um sendo a metade perdida do corpo do outro. Tão simples, tão clássico. A gente se afastou um pouco, só para ver melhor como eram bonitos nossos corpos nus de homens estendidos um ao lado do outro, iluminados pela fosforescência das ondas do mar. Plâncton, ele disse, é um bicho que brilha quando faz amor.

E brilhamos.

Mas vieram vindo, então, e eram muitos. Foge, gritei, estendendo o braço. Minha mão agarrou um espaço vazio. O pontapé nas costas fez com que me levantasse. Ele ficou no chão. Estavam todos em volta. Ai-ai, gritavam, olha as loucas. Olhando para baixo, vi os olhos dele muito abertos e sem nenhuma culpa entre as outras caras dos homens. A boca molhada afundando no meio duma massa escura, o brilho de um dente caído na areia. Quis tomá-lo pela mão, protegê-lo com meu corpo, mas sem querer estava sozinho e nu correndo pela areia molhada, os outros todos em volta, muito próximos.

Fechando os olhos então, como um filme contra as pálpebras, eu conseguia ver três imagens se sobrepondo. Primeiro o corpo suado dele, sambando, vindo em minha direção. Depois as Plêiades, feito uma raquete de tênis suspensa no céu lá em cima. E finalmente a queda lenta de um figo muito maduro, até esborrachar-se contra o chão em mil pedaços sangrentos.

Caio Fernando Abreu
208 compartilhamentos

Segunda-feira .. sempre passa e sempre haverá uma terça-feira com um lindo céu azul com poucas nuvens.

Adriano Soares
258 compartilhamentos

TERÇA-FEIRA, 21 DE AGOSTO DE 2007

Existe sempre uma coisa Ausente - Caio F.
Paris — Toda vez que chego a Paris tenho um ritual particular. Depois de dormir algumas horas, dou uma espanada no rodenirterceiromundista e vou até Notre-Dame. Acendo vela, rezo, fico olhando a catedral imensa no coração do Ocidente. Sempre penso em Joana d’Arc, heroína dos meus remotos 12 anos; no caminho de Santiago de Compostela, do qual Notre-Dame é o ponto de partida — e em minha mãe, professora de História que, entre tantas coisas mais, me ensinou essa paixão pelo mundo e pelo tempo.

Sempre acontecem coisas quando vou a Notre-Dame. Certa vez, encontrei um conhecido de Porto Alegre que não via pelo menos á2o anos. Outra, chegando de uma temporada penosa numa Londres congelada e aterrorizada por bombas do IRA, na época da Guerra do Golfo, tropecei numa greve de fome de curdos no jardim em frente. Na mais bonita dessas vezes, eu estava tristíssimo. Há meses não havia sol, ninguém mandava notícias de lugar algum, o dinheiro estava no fim, pessoas que eu considerava amigas tinham sido cruéis e desonestas. Pior que tudo, rondava um sentimento de desorientação. Aquela liberdade e falta de laços tão totais que tornam-se horríveis, e você pode então ir tanto para Botucatu quanto para Java, Budapeste ou Maputo — nada interessa. Viajante sofre muito: é o preço que se paga por querer ver “como um danado”,feito Pessoa. Eu sentia profunda falta de alguma coisa que não sabia o que era. Sabia só que doía, doía. Sem remédio.

Enrolado num capotão da Segunda Guerra, naquela tarde em Notre-Dame rezei, acendi vela, pensei coisas do passado, da fantasia e memória, depois saí a caminhar. Parei numa vitrina cheia de obras do conde Saint-Germain, me perdi pelos bulevares da le dela Cité. Então sentei num banco do Quai de Bourbon, de costas para o Sena, acendi um cigarro e olhei para a casa em frente, no outro lado da rua. Na fachada estragada pelo tempo lia-se numa placa: “II y a toujours quelque choe d’abient qui me tourmente” (Existe sempre alguma coisa ausente que me atormenta) — frase de uma carta escrita por Camilie Claudel a Rodín, em 1886. Daquela casa, dizia aplaca, Camille saíra direto para o hospício, onde permaneceu até a morte. Perdida de amor, de talento e de loucura.

Fazia frio, garoava fino sobre o Sena, daquelas garoas tão finas que mal chegam a molhar um cigarro. Copiei a frase numa agenda. E seja lá o que possa significar “ficar bem” dentro desse desconforto inseparável da condição, naquele momento justo e breve — fiquei bem. Tomei um Calvados, entrei numa galeria para ver os desenhos de Egon Schiele enquanto a frase de Camille assentava aos poucos na cabeça. Que algo sempre nos falta — o que chamamos de Deus, o que chamamos de amor, saúde, dinheiro, esperança ou paz. Sentir sede, faz parte. E atormenta.

Como a vida é tecelã imprevisível, e ponto dado aqui vezenquando só vai ser arrematado lá na frente. Três anos depois fui parar em Saint-Nazaire, cidadezinha no estuário do rio Loire, fronteira sul da Bretanha. Lá, escrevi uma novela chamada Bem longe de Marienbad , homenagem mais à canção de Barbara que ao filme de Resnais. Uma tarde saí a caminhar procurando na mente uma epígrafe para o texto. Por “acaso”, fui dar na frente de um centro cultural chamado (oh!) Camille Claudel. Lembrei da agenda antiga, fui remexer papéis. E lá estava aquela frase que eu nem lembrava mais e era, sim, a epígrafe e síntese (quem sabe epitáfio, um dia) não só daquele texto, mas de todos os outros que escrevi até hoje. E do que não escrevi, mas vivi e vivo e viverei.

Pego o metrô, vou conferir. Continua lá, a placa na fachada da casa número 1 do Quai de Bourbon, no mesmo lugar. Quando um dia você vier a Paris, procure. E se não vier, para seu próprio bem guarde este recado: alguma coisa sempre faz falta. Guarde sem dor, embora doa, e em segredo.

O Estado de S. Paulo, 3/4/1994

Caio Fernando Abreu
27 compartilhamentos

Nostalgia

Sei que em uma tarde ensolarada de terça-feira, daqui talvez uns 30 anos, sentirei saudades destas paredes tão silenciosas que assistem o meu adormecer há anos. Não minto quando afirmo que reclamarei a falta do aroma dos lençóis que agora me cobrem, lavados pelas mãos da minha mãe, assim como do travesseiro que a tanto tem sido feito de lenço de seda, nos momentos em que as lágrimas não podem ser contidas e caem como tempestades no final de um dia quente.
Não sou capaz de descrever o que despertou tal desejo de perceber o meu cotidiano, talvez no fundo, inconscientemente até o saiba, mas arrisco dizer que há uma grande chance que a causa deste olhar manso e amoroso pelo o que me cerca, por tudo o que está ao alcance das minhas mãos, esteja intrinsecamente relacionado ao tempo, pois ultimamente tenho pensado muito nele.
Às vezes, fico sentada na escada observando os cabelos brancos dos meus pais, que não me deixam esquecer que não sou mais aquela criança (por mais que deseje voltar a sê-la), e não posso negar que sinto medo do ponteiro do relógio que corre, dia após dia, noite após noite, sem parar por um único instante. È fato, todos nós estamos envelhecendo, dormimos mais novos e acordamos mais velhos, mas tenho a impressão que está passando tão rápido.
Parece que foi ontem que fiz dezoito anos, e agora, falta pouco para ter mais de um quarto de uma década; envelhecer não me assusta se de repente me olhar no espelho e ver uma linha riscando a minha face vou entender que são as marcas dos dias já vividos tomando forma, diante de mim; o que me apavora na realidade é o medo do que ficará para trás, do que poderá não seguir comigo, do que deverei deixar e de um dia acordar e ter certeza algumas coisas não voltaram jamais.
Dizem que não se deve pensar no futuro, mas talvez seja necessário, para podermos dar mais valor ao presente, e é isto o que estou fazendo, presto atenção a cada detalhe, não me canso de olhar as velhas paisagens, porque sei que hora ou outra, elas irão desaparecer, e só poderei as reconstruir nas entrelinhas da minha memória.
È de extrema importância valorizarmos todas as coisas, por mais simples que sejam, antes de perdê-las, como também não devemos viver no temor do que há de vir, e do que será, em detrimento do presente, nós só podemos optar por um dos verbos, o presente ou o passado.

Tatiane Moresi
14 compartilhamentos

Foi numa dessas tardes de terça-feira que soltei a coleira do meu pensamento e deixei ele rever a saudade.

Thalita B.
3 compartilhamentos

Terça feira, 06 de fevereiro de 2007-02-05

Eu tentei o Adeus, varias vezes mas não consegui
Pq nós andávamos na mesma direção para que nunca pudéssemos nos separar, mas se separamos
Dizem que se vc ama alguém então tem que libertá-lo, eu nom acho
eu preferiria viver preso à vc do que viver nessa dor e miséria, mas vc me libertou, ou melhor fez com que eu me libertar-se

Dizem que o tempo vai fazer com que tudo isso vá embora, pura ilusão o mesmo tempo que tomou meus amanhãs e transformou em ontem....
Mais uma vez esse sol nascente está se pondo
E mais uma vez vc, meu amigo não pode ser encontrado, pq vc não quer ser encontrado, paciência...

E é tão difícil de se fazer mas tão fácil de se falar
Mas as vezes vc só tem que ir embora....
Ir embora
Seguir seu rumo, seu destino, pq não suas vontades...
Eu sei me virar do meu jeito , fugindo, acreditando em ilusões, acreditando na loucura da minha mente insana, mas isso é a minha forma de esquecer, e quer saber de uma coisa, isso funciona....

Gustavo André
3 compartilhamentos

Só um beijo...
Um beijo, só isso. Uma terça feira, uma noite, uma garagem e a minha vida completamente mudada. Poucas coisas na vida eu desejei tanto quanto aquele beijo (engasga). Incontáveis vezes, pensei nele, desejei, sonhei e ensaiei que acontecia nos meus pensamentos, mas a realidade, foi infinitamente superior a qualquer expectativa prévia. Naquele Vinte e Quatro de Novembro, meu coração explodia dentro de mim, sentia um pulsar em cada centímetro do meu corpo trêmulo. Minha respiração estava ofegante, minhas mãos suadas e uma taquicardia que me levava ao ápice da excitação. Era tanto maluco quanto desejado. Desci! No carro, a boca ficou seca. Não sabia oque fazer, mas sabia muito bem o que queria. Os dois sentados, cada um no seu banco. Aquela luz que não se apagava nunca e ali ficamos. Então tua mão tocou meu rosto e eu sorri. Você sorriu. Ficou escuro, mas ambos continuavam a sorrir por dentro e por fora. Fecho os olhos e consigo sentir meu rosto repousando na sua mão forte; a outra mão tocou os meus cabelos perto da nuca e um arrepio gostoso subiu desde a pontinha dos meus pés. Quase impossível descrever o quanto o meu corpo e minha alma desejam ter você. Os carinhos continuaram gostosos, surpreendentes, excitantes. Os rostos foram se aproximando, os olhos se fecharam e então os lábios se tocaram. Não tenho palavras que sejam suficientemente fortes e capazes de descrever o toque dos seus lábios nos meus. Vou chamar de um instante mágico que ao lembrar...sinto o mesmo calor daquele dia e ainda assim qualquer palavra que eu diga estará muito aquém do que realmente foi. Em todo momento que penso naquele beijo, sinto uma alegria que me domina. Prazer que me consome e o desejo de nunca mais te deixar sair da minha vida. (segunda pagina) Confesso que pensei que o tempo pudesse desbotar um pouco dessa memória ou a convivência torná-la uma lembrança boa, como tantas outras que levo comigo, mas não! Havia tanto carinho, desejo, cumplicidade e apreço envolvido naquele tocar de lábios que fazem com que a memória permaneça tão nítida como se realmente tivesse acontecido ontem, não importando o tempo que passou. Beijar você foi de todas, a escolha mais inconsequente que tomei; e quer saber? Escolheria novamente. Meu desejo é que este beijo fique gravado em nossas memórias e corações como algo muito especial. A expressão do amor que nossos corações foram criados para sentir. Não sei o dia de amanhã, mas desejo que os teus beijos sejam sempre sinceros, puros e lindos como os que nesse ultimo ano, tive o privilegio de sentir. Que os desprazeres da vida não o façam nunca perder a essência doce e encantadora que tens. Desejo que aquela que é ou que vier a ser a sortuda de receber os seus beijos, tenha plena e real consciência de ter sido presentada com algo raríssimo e de extremo valor. (Pausa engasga ) Meu grande e eterno amor, que nos teus dias nunca faltem beijos, beijos e mais beijos. Serás pra sempre o dono do meu mais lindo beijo, aquele onde os lábios refletiram exatamente o que o coração queria tanto dizer. Com todo amor da sua beijoqueira, (chorando ...) Eu.

Identidade Preservada
3 compartilhamentos

Série Cartas: Carta Dois – Às Claras!


Às Claras!

Meu amor estou aqui de novo, escrevendo alguns rabiscos, onde expresso meus sentimentos, pois um amor não se mede com fita métrica, nem com a duração, muito menos com declarações no facebook e sim pelas dificuldades que nós enfrentamos para ficarmos juntos. Um amor verdadeiro é aquele que a outra pessoa fica feliz e radiante, pelo simples fato de ver a outra feliz.
Quero expor sobre esse pedaço de papel rasurado que mil vezes tentei esquecer-te, mas no fim... mil vezes desejei-te tê-la só para mim. Só que uma pergunta me fiz durante nossas discussões: - “Será que vale a pena discutir por bobagem?” Às vezes me repito por diversas vezes que eu a amo para poder dizer pro mundo que eu faço parte de uma maioria que está comprometida... mas isso não vem ao caso. O caso é que já é um fato consumado que estamos bem e felizes ao ponto de querermos viver sob o mesmo teto, dividir as mesmas alegrias e as mesmas preocupações e assim ficar velhinhos um do lado do outro para o resto da vida.
Te amo e não escondo isso, porque eu quero que o mundo saiba que você está aqui ao meu lado. Ah, e me desculpe se eu disse algo que veio a ferir seus mais sinceros sentimentos, não foi a intenção, pois tudo o que faço é para te ver alegre por me ter ao seu lado. Prometo que um dia eu conseguirei suprir todas as tuas angústias e sofrimentos e farei-te esquecer qualquer coisa que te lembre a este passado tão remoto e que ainda se faz presente na sua vida.
Estou aqui escrevendo esta humilde carta expondo meus mais puros e claros sentimentos para você entender que o que eu sinto por você não tem explicação e me deixa sem palavras para terminá-la, então só resta-me dizer que eu a amo mais que tudo e nunca a deixarei só.

Sempre teu,
Amadeu.

Por Caio Cavalcante. Em 28 de maio de 2013; terça- feira
2 compartilhamentos

Bom Dia Terça-feira!
Entra por favor e despeja
aquela chuva de bençãos
nas nossas vidas, renova
nosso ânimo, nossa força,
nossa fé e a nossa esperança.

Priscilla Rodighiero
2 compartilhamentos

Bom dia!
Deus lhe dará estratégia para vencer as investidas do inimigo nesta terça-feira, entrega todas as tuas inquietações e ansiedades no Senhor Jesus. Meu irmão(a), não sei qual é o mal que lhe aflige no momento, mas seja ele qual for, físico ou espiritual, Caiam por terra agora, em nome do Senhor Jesus. Eu decreto hoje a falência total do inferno. Não existe vento capaz de derrubar aquele que é de Deus. Que Deus nos cuide, nos proteja e nos abençoe para todo sempre Amém.

Alessandro Rodrigues

Desejo uma terça-feira, Feliz e abençoada!
Mais uma terça-feira Deus permitiu, mais uma chance de recomeçar e fazer o melhor. Sabe o que eu te desejo? que seu coração esteja aberto e possa receber as bençãos mais lindas ... carinhosamente preparadas por Deus nesse dia. Confia Deus nunca deixa nada pela metade, Deus vai mudar a sua história de uma maneira sobrenatural. Senhor abençoe nossos lares, nossas famílias e nossos amigos.

Alessandro Rodrigues

Bom dia!
Que no dia de hoje você só receba notícias abençoadas. Que o Senhor Jesus, abençoe todos os seus planos e projetos para está terça-feira. Coloque sua confiança, nas mãos de Deus, Quem aprende a andar e viver no tempo de Deus, é certo que não andará angustiado. Deus é o Deus das circunstâncias, Nada nem Ninguém vai impedir os planos de Deus na sua e na minha vida. Profetizo que vai chover bênçãos na sua vida. Prepare seu coração para receber a sua vitória, DEUS é na minha e sua vida. Que o Senhor te proteja te guarde e te abençoe.

Alessandro Rodrigues

Perguntaram onde estou. "Boicotando as segundas" disse. A ideia se espalhou. As pessoas ficaram em casa. Agora, odiamos as terças.

Guilherme Esteves
Inserida por guilhermesteves
1 compartilhamento

°♡° ೋ . ʚïɞ . ೋ °♡° Linda terça-feira ! °♡° ೋ . ʚïɞ . ೋ °♡°
Que seja um dia de levezas , de alegrias , de coração sereno e agradecido ... um dia lindo de superações , de aprendizados e carinhos sinceros ! Enfim ... que seja um dia inteiro de felicidades para cada um de nós ! ° ೋ ♡ ೋ °

Liahna Mell
2 compartilhamentos

Perseveremos na esperança
Terça-Feira, 18 de Dezembro 2007



Cumpramos, portanto, irmãos meus, a vontade do Pai que nos chamou, para termos a vida, e cultivemos a virtude; abandonemos o vício, precursor de nossos crimes, e fujamos da impiedade e assim os males não mais nos agarrarão. Porque, se nos esforçarmos para viver bem, a paz nos acompanhará. Por esta razão, não podem encontrá-la os homens que, presos aos temores humanos, preferem o prazer presente à promessa futura. Ignoram quanto tormento traz consigo a volúpia deste mundo e que delícias encerram a promessa do futuro.

Quanto a nós, sirvamos a Deus com coração puro, e seremos justos. Se, porém, incrédulos diante das promessas de Deus, não O servirmos, seremos extremamente infelizes.

Irmãos meus, não sejamos indecisos, mas perseveremos na esperança e obteremos o prêmio. É fiel Aquele que prometeu dar a cada um segundo suas obras. Cumprindo a justiça diante de Deus, entraremos em seu Reino e receberemos o prometido "que ouvidos não ouviram, olhos não viram, nem jamais subiram ao coração do homem (cf. I Cor 2,9).

Peçamos ao Senhor, neste dia, a graça de jamais nos cansarmos de fazer o bem.


Jesus, eu confio em Vós!

Desconhecido
2 compartilhamentos

E que todos os dias possamos dizer sim à vida.
Sim, sim!
Sim a esta terça-feira que chega majestosa, cheia de mistérios.
Sim, a um trabalho bem feito.
Sim, a um amigo necessitado de um colo, um ouvido, um abraço!
Sim, a dieta, a academia, a floricultura.
Sim, a si mesmo!

Márcia Paula Vaz
Inserida por MarciaPaulaVaz
1 compartilhamento

Adeus ao Poeta

Terça- feira, 16 horas.
Faltou luz no escritório.
Se fechar meus olhos, volto num instante àquele dia.
Abri a porta do escritório que emperrava no chão. Seu barulho rasgava o tecido fino do barulhinho de chuva que sussurrava naquela tarde.
Meu chefe se assustou. Ele estava sentado em sua poltrona que ficava bem em frente a porta.
Uma vela iluminava a sala repleta de livros.
Tudo estava delicado - olhos delicados, susto suave, respiração lenta, limpa e branca.
Senti uma ternura imensurável quando o avistei.
Pediu-me que sentasse ao lado de sua poltrona para que conferíssimos as cartas que seriam enviadas no dia seguinte. Peguei a vela para iluminar uma das cartas enquanto líamos.
Meu chefe, poeta, em meio aos seus 92 anos, era personagem principal daquela tarde cinzenta. Nela, ele escrevia, lindamente, o último parágrafo da sua história.
Tudo escuro em volta. A vela criava um mundo paralelo, onde só existia ele.
Tive a nítida sensação de estar sentada num imenso teatro. Ele no palco, em sua poltrona antiga. Escuridão - foco nele. Sua última poesia sem palavras. Sua última poesia, era ele.
Comecei a observar suas veias, sua pele fina e enrugada. Cada linha de velhice, me contava uma parte da sua história. Naquele momento, o Dr. Barreto me apresentava, sem querer, toda a sua biografia. Nos tornamos, assim, velhos conhecidos.
Quando terminamos, ele se levantou. Guardei algumas coisas em sua pasta. Ele pegou seu guarda-chuva e
foi saindo devagar. Como aquele dia cansado, porém, com o aspecto de missão cumprida, fazendo uma combinação perfeita com o poeta que tinha poesia até nas linhas de velhice das suas mãos.
"Até amanhã...", disse ele.
No dia seguinte, pela manhã, não havia mais Dr. Barreto. Só a poesia e o cheiro da vela no escritório. Poesia essa que, sem saber, ele escrevera para mim. Naquela tarde chorosa, que tanto chorava porque do poeta despedia-se em silêncio...

Essa é uma singela homenagem ao Poeta e Fundador do Movimento Poético Nacional, " Dr. Sebastião da Silva Barreto", que tornou nosso curto tempo de convivência tão grandioso que ficará eternamente gravado em minha memória.

Ariana Sliva
Inserida por arianasliva
1 compartilhamento

Naquela noite descobri tantas, mas tantas coisas, que acordei em uma terça-feira diferente, determinado a encontrar minha raiz e resumi minha vida em uma flor. Ela é bela, tem suas estações: às vezes caem pétalas, às vezes nascem pétalas, às vezes fica seca e se não tiver uma raiz fixa e estável pode chegar à morte. Preciso encontrar minhas raízes antes de querer ver o mundo florido, preciso me amadurecer se quero ser reconhecido.

Erik Vinicios
Inserida por myfrases
1 compartilhamento

Terça-feira

O resto do refrigerante jogado fora - que desperdício!
Apenas algum trocado e teríamos tudo de novo
Sempre fui um guerreiro, mas perdi para o vício
E estou pensando em contar isso a todo o povo

O filme que vejo passando, você não assiste
Ele é fruto do meu incomum subconsciente
Diz a lenda que o mocinho não desiste
Da sua amada, tão bela, assim de repente...

Porque eu te abraçaria durante a eternidade
Refugiando-me dos raios sob a tua proteção
Naquele dia da semana, rara liberdade
De optar pela verdade de um gesto, emoção

Uma visão mística dá asas à superstição
Na qual se agarra o jovem destemido
Nada é mais irracional do que a razão
Quando o amor está sendo vivido

Confio plenamente nesta força superior
Que nos rege e nos trouxe até aqui
No meu último suspiro, peço por favor
Pois sei que não existo, mas vivo para ti.

Allan Caetano Zanetti
Inserida por PensadorRS
1 compartilhamento