Marita Ventura 03 07 06

Cerca de 3213 frases e pensamentos: Marita Ventura 03 07 06

DA FELICIDADE

Quantas vezes a gente, em busca da ventura,
Procede tal e qual o avozinho infeliz:
Em vão, por toda parte, os óculos procura
Tendo-os na ponta do nariz!

Mario Quintana
11 mil compartilhamentos

M aior
A ventura
C onquistada
O nde
N enhum
H omem
A cabou vivo!

Desconhecido
125 compartilhamentos

Ninguém considera a sua ventura superior ao seu mérito, mas todos se queixam das injustiças dos homens e da fortuna.

Marquês de Maricá

03/07/2008..tarde fria e triste de quinta- feira...16:40hs.

Ilusões, mentiras e decepções. A dor de um coração partido, seus pedaços caem sobre o chão de lágrimas de um amor perdido, um amor que não merece ser sentido.

Michelle de Souza
319 compartilhamentos

Supremo Amor. – 13/06/03
(Dedicado a pessoa que mais amo no mundo em seu aniversário e fim do terror das quimioterapias; minha mãe!)

Mãe, Pai ... Pãe
Amor Supremo
Verdadeiramente acalentador
Porto seguro
Sensível inspiração
A espelhar-me
A vida inteira ...
As vezes,
Entristeço por segundos
Por uma bronca merecida,
Que recebo com amor.
Aquele amor de MÃE ...
Incondicional.
Aquele amor de PAI,ou melhor de,
PÃE, constrangido e escrachado
A mostrar a todo mundo.
Aquele amor que me guia,
Aquele amor que começa e acaba em mim.
Que define o que sou,
Sem esforço algum meu ...
Mostro-me assim
Esperançosa e feliz
Ao mundo
Somente por refletir
O AMOR SUPREMO
Dos meus PAIS!!
Dos meus PAIS, sim, ...
Pois minha MÃE, não é só mãe
Ela é minha MÃE, meu PAI .. minha PÃE ...
Minha Super PÃE !!

Thais Moura (eu)
54 compartilhamentos

Grãos de Areia (Marita Ventura)


Coração apertado

Respiração presa. Tudo é melancolia. Tudo está desmoronado. Um castelo que se desfaz. Lentamente. Vagarosamente. Visivelmente. Cada grão de areia delicadamente ali depositado que se esvai, unindo-se e perdendo-se, entre as outras tantas centenas de milhões espalhados.

Este é o ciclo. Primeiro o sonho, onde tudo começa, o desejo, a construção imagética do castelo ansiado. Depois o encontro, a definição, a certeza das partes, do começo, já estabelecido, do meio, que está por vir, e por vezes, do fim tão difícil.

Então a construção de fato, que dá forma, o “mãos à obra”, o carinho, o cuidado, a surpresa, a admiração, a confiança, o desafio, a excitação e a busca.

Depois o inusitado, um monte que se desmancha, não por completo, apenas um pedaço que se perde, mas que traz a dor, a decepção, o medo. Traz também a “volta por cima”, o esforço, a perseverança, uma nova tentativa. E o monte se refaz. Ou melhor, é refeito, reformado, consertado. Um pouco mais frágil, essa pequena parte fica necessitando de mais atenção, de maiores cuidados, está vulnerável a uma nova queda.
E o castelo não pára, é sempre lapidado cada vez mais. Pequenas falhas que vão sendo corrigidas. Outras que são aceitas. Nunca está pronto. E as correções são cada vez mais numerosas. Quase sempre recorrentes.

Até que outra parte se desintegra. Desmorona. A muralha tão imprescindível, tão necessária, protetora da fortaleza, ela, a última que poderia um dia desfalecer, se rompe, se entrega. É inevitável. A sensação é triste, penosa, dolorida. A perda do construído que leva junto o amor, o respeito e a esperança.

E os montes de grãos que a formavam voltam a ser nada, a nada representar, a nada significar, a nada dizer, porque já não é mais. Volta a não ser. Sua imagem está desacreditada, deformada. Já fora por muitas vezes reorganizado, rediscutido, reconstruído. Mas seus alicerces continuavam frouxos, não se sustentava.

Agora nada mais serve. Deixou o castelo sem forças, condenado a desilusão, a descrença, a frieza. O fim tão repudiado, repelido, ele, que era tão difícil de ser aceito, mas que já vinha dando sinais de sua presença, certamente chegou mais cedo do que um dia, se é que pensamos nele, pudéssemos imaginar.

O sonho tão belo, eterno e terno fora, mais uma vez, ao chão.

Marita Ventura - 03-07-06
Inserida por marita
1 compartilhamento

Não se iluda com o amor. Ele será um bom sentimento até o ponto final. Após isso, virá a depressão que fará você se destruir aos poucos. Apaixone-se por si. Melhor amor que esse não há. Você nunca vai deixar de se amar.

Raphael Ventura
382 compartilhamentos

Poderíamos vir com rótulos.Assim ninguém ia se procupar com falsidade no mundo.

Raphael Ventura
125 compartilhamentos

A inveja é um vírus que se caracteriza pela ausência de sintomas aparentes. O ódio espuma. A preguiça se derrama. A gula engorda. A avareza acumula. A luxúria se oferece. O orgulho brilha. Só a inveja se esconde.

Zuenir Ventura
243 compartilhamentos

SAUDADES

Foi por ti que num sonho de ventura
A flor da mocidade consumi...
E às primaveras disse adeus tão cedo
E na idade do amor envelheci!

Vinte anos! derramei-os gota a gota
Num abismo de dor e esquecimento...
De fogosas visões nutri meu peito...
Vinte anos!... sem viver um só momento!

Contudo, no passado uma esperança
Tanto amor e ventura prometia...
E uma virgem tão doce, tão divina,
Nos sonhos junto a mim adormecia!

Quando eu lia com ela... e no romance
Suspirava melhor ardente nota...
E Jocelyn sonhava com Laurence
Ou Werther se morria por Carlota...

Eu sentia a tremer e a transluzir-lhe
Nos olhos negros a alma inocentinha...
E uma furtiva lágrima rolando
Da face dela umedecer a minha!

E quantas vezes o luar tardio
Não viu nossos amores inocentes?
Não embalou-se da morena virgem
No suspirar, nos cânticos ardentes?

E quantas vezes não dormi sonhando
Eterno amor, eternas as venturas...
E que o céu ia abrir-se... e entre os anjos
Eu ia despertar em noites puras?

Foi esse o amor primeiro! requeimou-me
As artérias febris de juventude,
Acordou-me dos sonhos da existência
Na harmonia primeira do alaúde.

Meu Deus! e quantas eu amei... Contudo
Das noites voluptuosas da existência
Só restam-me saudades dessas horas
Que iluminou tua alma d'inocência.

Foram três noites só... três noites belas
De lua e de verão, no val saudoso...
Que eu pensava existir... sentindo o peito
Sobre teu coração morrer de gozo.

E por três noites padeci três anos,
Na vida cheia de saudade infinda...
Três anos de esperança e de martírio...
Três anos de sofrer — e espero ainda!

A ti se ergueram meus doridos versos,
Reflexos sem calor de um sol intenso,
Votei-os à imagem dos amores
Pra velá-la nos sonhos como incenso.

Eu sonhei tanto amor, tantas venturas,
Tantas noites de febre e d'esperança...
Mas hoje o coração parado e frio,
Do meu peito no túmulo descansa.

Pálida sombra dos amores santos!
Passa quando eu morrer no meu jazigo,
Ajoelha ao luar e entoa um canto...
Que lá na morte eu sonharei contigo.

Álvares de Azevedo
140 compartilhamentos

Todo o mal que alguém por ventura nos disser, servirá de reflexão para a nossa alma.

hilton torres
28 compartilhamentos

A chuva cai lá fora
E aqui dentro caem
Minhas lágrimas
Hoje você me perdeu
Do mesmo jeito que me ganhou
Hoje me trocou do mesmo jeito
Que me escolheu
Hoje me negou
Do mesmo jeito que me aceitou
Hoje me odiou extamente
Como um dia me amou
Sem eu saber

Ventura
87 compartilhamentos

Mesmo depois do dia 15.07.11 -Sempre serão os mesmos Harry Potter , Hermione Granger, Rony Weasley, Severo Snape, Alvo Dumbledore e Voldemort, pois o carinho dos fãs é maior que um fim de saga , é maior que um livro terminado , é maior que o final determinado , nosso amor de fã , leva a saga mais longe , cada um tem uma continuação pra essa história magnífica , essa hisória que encantou muita gente , com todos os seu personagens , todo seu conteúdo , tenho que agradecer à Joanne Kathleen Rowling, por proporcionar tantas emoções , ao lado desses heróis , esses heróis que ensinam a verdadeira amizade , a verdadeira união , esses que nunca se separam , mesmo depois de uma derrota ou confronto , sempre juntos , até o fim.

Ana Carolina Davis
15 compartilhamentos

A bondade é uma reserva de felicidade, porque deixa gozar a ventura dos outros depois de havermos perdido a própria.

Condessa Diane

Detesto o que é falso em tudo como um inimigo da ventura.

Stendhal

Todo o bem que se realiza é uma ventura que se perdeu.

Júlio Dantas

Dez fontes que mudaram minha vida para sempre

01) Hamlet
02) A Paixão segundo GH
03) O Livro de Jó
04) A Divina Comédia
05) Dom Quixote
06) Madame Bovary
07) Ensaios, de Montaigne
08) O mal estar na civilização, de Freud
09) Confissões, de Agostinho
10) A poesia de Fernando Pessoa

Leandro Karnal
55 compartilhamentos

22/03/08

Menininha complicada, garotinha confusa...
Aquela que não sabe o que quer, aquela que ás vezes não entende nada...
Garotinha chata e muitas vezes insuportável...
Aquela que já chorou por besteira, aquela que já morreu de tanto rir, a garotinha que tem os melhores "amigos", aquela que não para de sonhar, a menina que não é a mais forte do mundo, mas que é a mais feliz...
Aquela que por diversas vezes daria tudo para que o seu mundinho fosse melhor e que tudo fosse do seu jeitinho, a que tem medo de arriscar, a que sempre vai ser uma eterna garotinha, menininha brincalhona, garotinha meiga...
Aquela que já se decepcionou, mais que também já se surpreendeu, que odeia falsidade, aquela que tem amigos e família acima de tudo e de todos...
A que vai ser para sempre essa garotinha feliz e que não mudaria seu jeito por nada e nem por ninguém !!!

Thais S.G
81 compartilhamentos

“Todo mundo, o tempo todo, tenta dizer como você deve ser.” (Revista Capricho, 03/11/02)

Avril Lavigne
103 compartilhamentos

O problema do amor (por Kathlen H.P. 02/11/07).

Hoje de manhã, estava no ônibus, e ouvi a conversa de duas mulheres de meia idade. Uma delas dizia que descobrira que seu marido, com quem estivera casada há oito anos, a havia traído. Podia sentir todo o rancor e tristeza possível na voz daquela mulher. A outra a consolava, dizendo que ele não a merecia. E disse em bom tom, que o amor a dois é o desperdício da vida, que ele só serve para construir decepções cada vez mais dolorosas. Senti-me perplexa com aquele comentário, e não consegui parar de pensar naquilo o dia todo.
Sempre acreditei no verdadeiro amor entre dois. E pode ter certeza, que nos últimos meses, tive motivos de sobra para deixar de acreditar. Porém, sempre tive fé de que o verdadeiro amor existia sim. Vejo tantas relações de anos, de casais que se amam em plena terceira idade, com a mesma intensidade de que se amavam quando se conheceram. Vejo cumplicidade explicita entre casais amigos, desde aqueles que ainda namoram, até aqueles que já construíram uma vida juntos. Horas, o amor está em todo lugar, o amor é a essência da vida. Como pode ser ele, um arquiteto de decepções?
Refletindo sobre isso, lembrei-me de uma música, de Renato Russo, que diz: "quem inventou o amor?” Certamente, se essa pergunta fosse feita a uma das senhoras do ônibus, elas diriam que foi alguém que teve uma enorme decepção amorosa, e para dar um nome a toda àquela agonia passada, escolheu amor.
Mas, eu não diria isso. Quem inventou o amor, foi sim, alguém que sofreu, que perdeu noites de sono, que derramou lágrimas, que fez loucuras, que gritou, que se arrependeu, que sentiu dor no coração. Mas este alguém com certeza sentiu uma felicidade além da conta. Sentiu o peito explodir de uma alegria indescritível, sentiu sabores, cheiros, toques de inimaginável esplendor. Sentiu-se completo, viu como o mundo pode ser belo, e como ainda vale a pena sonhar. A este turbilhão de sensações, deu-se o nome de amor.
Pensando mais um pouco (é, hoje estou pensativa pra caramba), cheguei à conclusão, a uma difícil conclusão, (especialmente para mim, podem acreditar); o problema não está no amor, e sim, a QUEM damos nosso amor. Todo ser humano é provido da capacidade de amar, nem que seu único amor seja o amor próprio, mas ele é capaz de amar.
O problema maior está em quando resolvemos dividir nosso amor. Aí é que se encontra o 'x' da questão. Achar a pessoa certa para compartilhar tão indefinido sentimento. Quando a achamos, o mundo fica 'blue'. Tudo são rosas, a sintonia é perfeita, o encaixe é surreal. "Ah, como o amor é bonito!"
Se não achamos esta pessoa, pensamos que o amor não passa de uma lenda, que é uma propaganda enganosa, e que estamos muito bem sozinhos, obrigada. (este caso é raro, mas acontece).
Mas o pior de tudo é quando pensamos ter encontrado a pessoa certa, a pessoa para dividir cumplicidade. Até ai tudo bem. Mas então o mar de rosas se transforma num vendaval, a pessoa que julgávamos a 'certa' não está mais nem ai. Talvez porque surgiu uma terceira pessoa, talvez porque o fogo da paixão terminou, ou vai lá saber o porquê (o amor tem razões que a própria razão desconhece). E nós, que demos todo nosso amor, que investimos toda nossa energia em uma relação, ficamos ali, parados, sofrendo, perguntando-nos onde foi o erro. Procurando uma palavra mal interpretada, um gesto não entendido. Esperando uma ligação que não vem. Um e-mail que não chega. Um beijo que sabemos que não será dado.
E sofremos. Sofremos e juramos nunca mais passar por isso, juramos nunca mais se entregar de tal modo, juramos nunca mais nos deixar ser enganados por alguém. Mas isso passa. Um dia, Drummond escreveu algo como “Por que sofremos tanto por amor? O certo seria a gente não sofrer, apenas agradecer por termos conhecido uma pessoa tão bacana, que gerou em nós um sentimento intenso e que nos fez companhia por um tempo razoável, um tempo feliz." Ele tinha razão. Acredito que somos seres amáveis, no sentido literal da palavra. Nós somos o amor. E somos corajosos. Muito corajosos. Porque mesmo depois de sofrer tanto por amor, ainda amamos. E amamos de novo, e mais uma vez. Mesmo sabendo de todos os riscos, nos aventuramos procurando o que só este sentimento pode nos dar.
Então aqui vai uma dica de uma verdadeira 'amante'; não deixe de amar, o amor vale a pena. Porém, tenha a certeza de que você está entregando seu amor pra pessoa certa, para alguém que goste de você, não que só goste do amor, porque gostar de amor, todo mundo gosta. Dê amor a alguém que te complete de verdade, que te dê a chance de dividir sua vida com ele, mas que te dê o espaço para ter sua própria vida. E se não der certo da primeira vez, continue na busca! Não se deixe abalar pelo fato de um dia ter demonstrado seus sentimentos para quem não soube valorizá-los; o que importa é que você soube assumi-los, sem medo. E essa pessoa um dia vai ver o que perdeu. Alguém disse uma vez que “às vezes, construímos pequenos sonhos em cima de grandes pessoas, mas com o tempo percebemos que grandes mesmo eram os sonhos e as pessoas eram pequenas demais para eles”. É a mais pura verdade. Mas nem por isso devemos deixar de sonhar.

Kathlen Heloise Pfiffer
47 compartilhamentos