Ludovico Ariostobiografia

Cerca de 28 frases e pensamentos: Ludovico Ariostobiografia

Mais do que riqueza, quero paz.

Ludovico Ariosto
51 compartilhamentos

Nada ofende mais a mulher,
do que chamá-la de velha ou feia.

Ludovico Ariosto
35 compartilhamentos

Pois o homem raramente escapa ao seu destino.

Ludovico Ariosto

Por amor tornou-se furioso e louco,
o homem que tão sábio era estimado antes.

Ludovico Ariosto
10 compartilhamentos

Como é comum que o juízo humano se engane!

Ludovico Ariosto
11 compartilhamentos

Se, como o rosto, se mostrasse o coração.

Ludovico Ariosto

Aquilo que o homem vê, o Amor torna invisível,
e o invisível faz ver o Amor.

Ludovico Ariosto

Na minha casa um nabo é mais saboroso... do que o tordo, o faisão ou o porco da mesa alheia.

Ludovico Ariosto

Vi grande quantidade de armadilhas com visco,
que eram, ó mulheres, as vossas belezas.

Ludovico Ariosto

Talvez fosse verdade, porém não credível
a quem fosse senhor do seu próprio juízo.

Ludovico Ariosto

Pequena, mas suficiente para mim, não depende de ninguém,
decorosa, e comprada com o meu dinheiro.

Ludovico Ariosto

Embora na maioria das vezes o fingimento seja
criticado e dê indícios de espírito maldoso,
em muitas ocasiões, prova
ter feitos evidentes benefícios.

Ludovico Ariosto

Não mereço ser criticado se vos dou pouco,
pois dou-vos tudo o que posso dar.

Ludovico Ariosto

Aquele que é feliz raramente conhece o ser de que possui inteiramente o coração.

Ludovico Ariosto

"Não sabe o que é a paz, nem a estima quem não viu antes o que é a guerra."

Ludovico Ariosto
Inserida por PauloHenriqueOG

O MAIOR SONHO DE LUDOVICO

CRÔNICA

Os sonhos é que nos movem. No dia que deixarmos de sonhar morreremos. Há sonhos de tudo quanto é jeito: os sonhos possíveis de serem realizados e os impossíveis; sonhos bons e sonhos ruins, sonhos estranhos, sonhos bobos...
Veremos a seguir um sonho não muito comum de se ver; que o achei engraçado.
Ludovico já estava com a família criada e aposentou-se ainda com uma boa idade.
Mas,só alcançou esse benefício devido a um acidente de trabalho; segundo comentários que circulam a “boca miúda”, entre a torcida do Cruzeiro, Atlético e América...
É que, foi o Ludovico que adiantou esse processo: provocando sua propria queda do quarto andar de um prédio em construção, onde trabalhava como ajudante de pedreiro.
Quebrou-se todo, e foi tido como morto por muito tempo, por populares e pela equipe de saúde do Serviço do Atendimento Médico de Urgência (SAMU).
Depois de dezenas de cirurgias...
Ficou internado numa Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) sobrevivendo com o auxílio de aparelhos, um ano e oito meses.
Abaixo de Deus uma árvore, plantada no passeio, também deu uma demão para sua sobrevivência: amortecendo o impacto da queda. Hoje, ele leva uma vida quase normal.
Se foi verdade o fato de ter sido ele o autor dessa loucura, apesar do sofrimento, o plano deu certo:
pois, logo depois desse ocorrido ele já estava recebendo seus parcos recursos da Previdência Social. Mesmo antes de receber alta do hospital.
Mas... Por um triz não perdera a sua tão preciosa vida!
Ludovico vivia dizendo que o dinheiro da sua aposentadoria era muito pouco, então, complementava sua renda fazendo pequenas “catiras” de celular,relógio etc., e, compras e vendas de ferro velho;
apesar de Messias, sua esposa, viver implicando com ele principalmente por não ter na casa um espaço adequado para acondicionar os materiais que ia adquirindo, e por não haver tanta necessidade daquele serviço extra.
A mulher estava certa: é sabido que o saldo de Ludovico no banco era “gordo”. Até já andou emprestando algum dinheiro a juros altos,tempos atrás.
Mas, depois de levar alguns "calotes" desistiu dessa atividade.
.
Ludovico não serviu ao Exército para não “prestar continência”- continência se presta com a mão aberta.
Pensa num sujeito “seguro”! "Mais seguro do que papagaio no arame". Assim era ele. “Não comia banana para não jogara a casca fora”.
Dona Messias, mais católica do que o Papa,era mais “mão aberta” digamos assim; e sempre carregava umas pratinhas na bolsa para dar de oferta,na congregação que frequentava;
mas o Ludovico...
Messias vivia pelejando com o marido para levá-lo ao santuário católico; mas perdia o seu tempo: ele só ia mesmo à igreja, quando a missa era de “ações de graças”.
Não se via coletores de ofertas nessas liturgias.
Estava explicado então, o verdadeiro motivo de tanta resistência de Ludovico em não cumprir suas obrigações da fé religiosa,com denodo como Messias gostaria.
Havia mesmo "cobra em seu bolso!"
Muito bom vizinho, o Ludovico, de vez enquanto vinha ter comigo: para propor um negócio qualquer, contar causos; quando era novo bebia "umas e outras" e bateu num delegado. Disse em certa ocasião.
E, numa dessas muitas prosas revelou-me, o seu “maior sonho na vida”, que me deixou de cabelos brancos:
Ele gostaria de ser enterrado no Cemitério de Ribeirão das Neves; sendo que morava em Belo Horizonte; numa região bem servida por outras opções de sepultamento.
“Como é que pode uma pessoa ter um sonho assim!" ... esse questionamento insistia em ficar comigo.
Se ele fosse residente ou natural dessa cidade, ou tivesse parentes por lá, seu desejo seria mais justificável.
Como, quase mineiro que já sou, fui matutar aquilo.
E, “Zé matuta matutou... matutou... Matutou”. E não achava o motivo do seu desejo maior de Ludovico;
“Não tenho pressa mesmo, uma hora dessa eu descubro o verdadeiro motivo disso.” Pensei.
Passaram-se quinze longos anos até que a verdade veio à tona!
Pela boca do próprio Ludovico:
“O bom de ser enterrado em Ribeirão das Neves é o preço baixo da taxa de enterro: é bem menor do que na capital.”
Pronto!!! Mistério revelado!
Eu já tenho visto muito sujeito “pão duro”, ”mão de vaca”. Mas como esse foi o primeiro!
Onde já se viu uma pessoa se preocupar em obter um desconto financeiro depois de morto! como dizia os antigos: É "vivendo e aprendendo!"

28.08.16

Nemilson Vieira de Moraes
Inserida por NemilsonVdeMoraes
1 compartilhamento

Ao som de Intouchables | Una Mattina - Ludovico Einaudi me permito escrever depois de tempos e como se me alma pulsa-se de maneira tão branda que chega ser indescritível, sinto um conforme imenso e um aconchego tão seguro e recíproco quando estou em meio a escrita e como se a minha alma estivesse por um alguns minutos em verdadeira paz, o refugio que não alucina, não destrói ou se quer corrói, apenas me liberta e me leva ao estado mais afundo que existe na minha alma.
Escrevo por que preciso, escrevo por que gosto, escrevo por me construo, escrevo por que me contradigo e enxergo em meios caminhos desconhecidos. Não precisa ter sentindo apenas sentir.
Nada será como amanhã, e ainda sim que possa se repetir não será como o futuro, e então percebo que o que nos resta e o presente de maneira vital, e grandiosa.
Me coloco a pensar porque queremos tanto sentindo se nem nós o fazemos, por que queremos tantas coisas precipitadamente, por que e mais porque e chegamos ao verdadeiro lugar algum.
O presente tem sido uma possibilidade possível aonde tenho tentado me aproximar dele, quero de alguma forma me torna amigo dele e quem sabe seu confidente, aonde estaremos sempre juntos e ligados um vivendo o outro e não um para o outro.
Me reinvento, erro, me arrependo, me precipito e ainda sim não me encontro e nessas idas e vindas como citei acima, notei que o presente me queria e eu não o enxergava hoje tenho tentado assim como uma amigo que por muitos erros e muitas vezes sem se enxergar ou ao menos se ouvir que estar próximo dele de forma integral e única, quero poder aprender como ele, não cobrar o passado ou que seja sonhar com o futuro.
Fatores são tão implicantes, quero ser feliz de forma que as vezes esteja triste, estendo angustiado de modo que esteja em paz conectado com o meu corpo e espirito que precisam assim como um templo ser cuidado e zelado para no presente render a energia que preciso para o dia a dia. Porque assim como disse Lya Luft “Se de um lado a morte me espera de outro a vida me chama”
Os dias tem sido difíceis mais e como uma venda que estava me cegar se quer me deixava lembrar que escrever me trás ao presente, me ajuda pensar ou deixar de pensar a me contradizer e me entender dentro disso. Que caminhos só são criados mediante a sua estadia no presente, por que ele de modo sábio sendo o presente hoje amanhã será passado e ontem foi o futuro.

Douglas Roonkevit
Inserida por Roonkevit

Os filhos precisam de ninho e de asas. Ninho é o acolhimento, o aconchego. Asas para ter liberdade para crescer.

Isabelle Ludovico
Inserida por lucianosds

Há uma igreja dos ricos e famosos que é capa da Veja, que está na TV e cujo crescimento e poder financeiro e político são analisados pelos sociólogos. E tem uma outra igreja anônima, pobre, na periferia, que se encontra principalmente em pequenos ajuntamentos, no movimento de missões e nas iniciativas cristãs de cunho social. A igreja do centro adotou um modelo de mercado, de culto bem produzido inspirado em igrejas norte-americanas. A igreja da periferia é sacrificial, profética, anônima e está envolvida com a realidade humana que sofre. Eu fiz uma opção pela igreja da periferia, do simples, do pequeno, sem fama, sem marketing, sem profissionais da fé, sem personalismo. Estou convencido de que fama, poder, riqueza e uma igreja voltada para si mesma não refletem o projeto de Jesus de Nazaré e dificilmente geram santos, profetas e reformadores.

Osmar Ludovico
Inserida por samiferraz

Casal que não discute
tem amante
Irmão e amigo que não briga
é inimigo

leonardo luiz ludovico povoa
Inserida por ludovicopovoa