Três porquinhos viviam em uma floresta com a mãe. Quando cresceram, decidiram morar sozinhos. Cada uma deles, resolveu construir sua própria casa na floresta. No entanto, a mãe dos três porquinhos avisou:

- Tenham muito cuidado, pois na floresta vive o lobo mau, e eu não vou estar lá para proteger vocês.

- Sim mamãe! – Responderam os três porquinhos.

Os porquinhos procuraram um bom lugar para construir as casas e, assim que encontraram, cada um começou a construção.

O porquinho mais novo, que só pensava em brincar, construiu a sua casa de maneira rápida e desleixada, usando apenas palha.

O porquinho do meio, que também queria brincar com o mais novo, reuniu alguns pedaços de paus e depressa construiu uma casa de madeira.

O porquinho mais velho, que era o mais maduro, se lembrou do conselho da mãe e pensou:

- Vou construir a minha casa de tijolos. Assim terei uma casa muito resistente para me proteger do lobo mau.

O porquinho mais velho foi o que demorou mais tempo a construir a casa mas, no fim, estava muito orgulhoso dela, e só aí se juntou aos seus irmãos para brincar.

Um certo dia, quando estavam brincando alegremente, apareceu o lobo mau:

- Olá! Vejo três deliciosos porquinhos à minha frente.

Ao verem o lobo mau, fugiram, cada um para a sua casa.

O lobo, que estava cheio de fome, chegou ao pé da casa do porquinho mais novo e disse:

- Saia daí porquinho! Se não sair, vou destruir a sua casa de palha.

E vendo a casa de palha à sua frente, soprou tão forte, que fez a casinha ir pelo ar!

O porquinho assustado correu para a casa do irmão do meio, que tinha uma casa de madeira.

Quando o lobo chegou, gritou:

- Eu estou com tanta fome que vou comer os dois porquinhos.

E com dois sopros, conseguiu destruir facilmente a casa de madeira.

Os dois porquinhos mais novos correram apavorados para a casa do irmão mais velho, que tinha construído uma casa de tijolo.

O lobo, vendo que os três porquinhos estavam todos numa só casa, exclamou, louco de alegria:

- Estou com tanta fome, que vou comer os três porquinhos de uma vez.

Então, o lobo encheu o peito de ar e soprou com toda a força que tinha, mas a casinha de tijolos não se mexeu nem um bocadinho. Aliviados, os três porquinhos saltaram de alegria. Mas o lobo não desistiu, e disse:

- Não consegui deitar a casa de tijolos abaixo nem derrubar a sua porta mas eu tenho outra ideia… esperem que já vão ver! E começou a subir o telhado, em direção à chaminé.

Os porquinhos mais novos ficaram aflitos, mas o mais velho, que era muito esperto, colocou no fogão, por baixo da chaminé, um grande caldeirão de água a ferver.

O lobo, ao entrar pela chaminé, caiu no caldeirão de água quente e queimou o rabo, fugindo o mais rápido que podia para o meio da floresta. Os dois porquinhos agradeceram ao seu irmão mais velho, e aprenderam a lição.

Deste lobo mau, nunca mais se ouviu falar…

Explicação e moral da história

Na história dos três porquinhos, vemos como é importante ouvir os conselhos dos pais. Quando decidem morar sozinhos na floresta, a mãe dos porquinhos diz que eles precisam ter muito cuidado com o lobo mal, pois ela não estaria perto, caso precisassem de ajuda.

Os dois porquinhos mais novos, que só queriam brincar, acabaram construindo casas frágeis e desleixadas, o que os colocou em uma situação de perigo. O porquinho mais velho, que era mais maduro e responsável, decidiu sabiamente passar mais tempo construindo uma casa segura para só depois ir brincar com os seus irmãos.

Ao longo da história, vemos que o trabalho duro do porquinho mais velho valeu a pena, pois a sua casa foi a única que não foi derrubada pelo lobo mal. Os porquinhos mais novos acabam aprendendo a importância de serem responsáveis e colocar o trabalho e as responsabilidades em primeiro lugar. Dessa forma, eles vão poder brincar com muito mais segurança quando quiserem.

Veja também: