Maria Lu T S Nishimura: A capacidade do amor Onde quer que...

A capacidade do amor

Onde quer que esteja, sejais de ti
tal palmas que se dispõe no chão,
tal amor que reflete cada coração.
No Brasil, na Grécia ou no Taiti...

Não sei por onde andas seu corpo!
Só sei que a nossa vida é um sopro
e num instante se pensou e já foi,
passa tão depressa feito um oi...

Pensemos e reflitamos sobre nós:
- Quem depende do nosso amor?
O que se acrescenta - nos os pós?

Será que és a terra que assenta,
ou és tu a poeira que levanta,
ou a mão que afaga e planta?

II

Toda semente tem um anseio
e se dela o nascer é uma benção,
não se perca e não tenha receio,
não cultive a semente da aflição!

Sejais pacíficos e benevolentes,
misericórdiosos e caridadosos,
não sedes maus e indolentes,
nem seu ego dos mais vaidosos!

Muito se quisera do mundo
entretanto, o que se fez por ele?
Qual é seu papel? Ser mudo?

Então meu jovem ou sei lá
quantos anos você tem..
O que você dispõe convém?

III

Eu não sei se adiantaria dizer
das coisas que aprendi a cá
contudo, vou dizer - lhes um, tá?
- Em tudo há uma razão de ser!

E na razão não se desperdiça nada:
- Nem erros, nem acertos!
Até mesmo uma poeira levantada...
de repente se faz do pó os enxertos!

Sei quão fértil é um solo regado;
Sei quão valioso é o bem instruído;
Sei o quanto pode ser - lhe negado...

Porém, de ti não arrancarás a paz,
se tudo o que fizer em seu sentido
for com todo o amor que for capaz!

IV

Mostrei este poema a uma colega
e ela disse que sentiu falta da raça,
das discriminações que se alarga,
entretanto, disse - lhe: Que trapaça...

- Na verdade não há raça no amor!
Nele não existe religião, raça e cor,
as pessoas são pessoas e basta!
Na linguagem, a poesia me arrasta,

então porque falaria: Descriminação!
Haveria isso no dizer que diz: Japa?
Ela então se calou e leu meu coração...

...porque pude ver que tudo tem capa,
e nunca se esconde alheia a emoção,
porque a verdade à alma não escapa!

V

Às vezes, a discriminação é desculpa
é um jeito de defender a própria sorte,
porque não há rejeito abjeto da culpa
se o coração for envolto de amor forte:

- No amor de família, ser amor respeito!
Daquele que nos mantém pra vida inteira,
no que põe abençoar e agradecer o leito,
mesmo humilde o pé descalço numa eira!

A eira de arroz no vão de um cafezal,
a eira de milho, do feijão, ou da alface!
O trabalho é sempre digno e cordial

à aquele que valoriza o chão que pisa,
mais há quem precise ser descomunal,
ser vítima da história até virar pizza!

VI

Eu prefiro esquecer e só valorizar tudo,
e se possível resgatar os reais valores:
- Amor, caridade, misericórdia no mundo!
Porque isso não depende dos favores!

Isso não depende de raça, credo e cor,
isso depende unicamente do Amor!
Então, não quis discutir e me calei,
mas no poema tudo isso acrescentei!

Porque me calo e meu coração fala
que nos temos muito que aprender
e não precisamos de canhão com bala!

Se ainda eu não for suficiente e ativa
então, nada serei além de uma tala...
no enrosco, entalado na gengiva!

Maria Lu T. S. Nishimura