Ops! O pensamento foi removido e não pode ser encontrado no Pensador.
Veja outros pensamentos do mesmo autor: Jéssica Calaça Lima.

Outros pensamentos que podem interessar:

Eu Tive Um Sonho Bobo

Sonhei que a Lua tinha caído na rua da minha casa
Pude vê-la como um dia viram os homens da NASA.
Pessoas curiosas saíram de suas casas para contemplar aquela Lua,
Linda e brilhante passeando na minha rua.

Longe do céu estrelado, a beleza dela não diminuía...
Era tanta surpresa e felicidade, que meu coração forte batia.
As estrelas lá no céu de longe pude ver,
Aquele céu sem a Lua era de entristecer.

Era noite de Lua Cheia e a cor dela era envolvente...
Lilás e com suas crateras contornadas de prata, sem saber eu sorria contente.
Imagem que os meus olhos viram, minh’alma jamais vai esquecer,
Se eu acordasse daquele sonho eu iria enlouquecer.

Mas, parecia o fim do mundo, eu tive medo de uma explosão,
Para minha surpresa, os canalhas estavam em ação.
Não perdiam o seu tempo e usaram aquela paisagem,
A natureza ficou tão triste que foi apagando toda a imagem.

Atrás daquele cenário lindo havia uma fábrica em ação,
Os canalhas surrupiavam o dinheiro do povo inocente, e eles nada faziam.
Do nada se tornaram escravos dos canalhas na administração,
A dignidade e respeito do povo aos poucos se foram...

De narradora eu passei à personagem,
Na primeira pessoa eu tentava salvar aquela paisagem.
Ainda dava tempo, não estava tudo perdido...
O povo precisava ter mais atitude para livrar-se do perigo.

Foi então que minhas atitudes foram controladas por um robô,
Desmascarei todos aqueles canalhas e o povo me ajudou.
Diante daquelas máquinas controladoras e vidas a salvar,
Entreguei-me à minha fúria e deixei o robô me controlar.

Todos aqueles canalhas se juntavam em um lugar chamado Planalto,
Coloquei bombas por todas as partes e mandei tudo pro alto.
Provando do próprio veneno um por um desencarnava,
O povo respirava aliviado dizendo que aquele inferno acabara.

Estarrecida eu pude notar que para tudo há uma solução,
Basta ter garra, lutar e ter muita gratidão.
Os canalhas se foram e deixaram a nossa dignidade,
Feliz, o povo agradecia com felicidade.

Como há tanta beleza e nós não admiramos?
Um dia vão perceber quem são os verdadeiros humanos.
Então todos voltaram pra traz (no início do sonho, sem guerra)...
E deixaram a bela Lua dar o seu espetáculo em paz (mostrou que não há vida somente na Terra).

Eu tive um sonho bobo de doer, que me deixou feliz ao amanhecer.

Jéssica Calaça Lima
Inserida por jesslimagyn
1 compartilhamento

Não sinto falta de um "namoro" ou uma simples "ficada" em minha vida. O que me falta, de verdade, é uma paixão a moda antiga, um baile de máscaras (bem brega) no estilo 'Black Tie', ouvir aquela música lenta e dançar de rostinho colado.
Um romance, um alguém que me conquiste com semanas de conversas e risadas, olhares e carinhos. E não uma pessoa que queira experimentar meu beijo sem antes saber quem sou. Eu não preciso de alguém que esteja comigo só por uma noite, eu preciso de alguém que me queira pelo que eu sou, para ficarmos juntos por todos os dias de nossas vidas.

Jéssica Calaça Lima

Duas pessoas observaram algumas características minhas e eu fiquei refletindo, pois nem eu mesma havia reparado:
"Jéss, você vive com o coração e ele sempre bate mais forte. Ele avisa, ele acalma, ele ataca.. ele ama. Você é o tipo de pessoa que mantém a postura e se mantém sempre forte, guardando sua dor pra cuidar da dor de qualquer outra pessoa, sorrindo mesmo quando a situação te impede de fazer isso. Mas quando você cai é pra valer, pois você se esconde até o último segundo, até o último restinho de força se acabar. Quando você cai, você chora, você não tem medo de mostrar o que sente, não tem medo de esconder o que se passa aí dentro. E eu não gosto de te ver caindo, quando isso acontece eu sei que nada está bem, nada mesmo e não há absolutamente nada que eu possa fazer a não ser te dar o meu ombro ou chorar contigo. Você sim tem as lágrimas sinceras de um coração sincero, e merece o meu apoio. Eu te admiro - muito."
Eu não sei se sou assim, mas agradeceria se eu fosse metade disso tudo

Jéssica Calaça Lima
Inserida por jesslimagyn
1 compartilhamento

Durante os últimos dias eu tenho andado pela casa como se estivesse procurando algo. A televisão não me interessa mais, o computador, aos poucos, está perdendo a graça. Mas, penso comigo: Porque o computador está ficando desinteressante para mim sendo que é através dele que eu falo com você?
O amor que eu sinto por você vai muito além de um “eu te amo”. Eu não quero só amar você. Eu quero sentir o seu calor, o sabor do seu beijo, ouvir o timbre da sua voz, sentir o afago dos teus carinhos... são meus desejos.
Depois de reler tudo o que eu escrevi acima, pude perceber que esse “algo” que eu procuro todos os dias não é uma coisa qualquer. É – você.

Jéssica Calaça Lima

Então, mais uma vez meu coração falou mais alto e eu não me dei bem no fim. Mas, sabe o que é engraçado? Eu me apaixonei perdidamente, me apaixonei.
Entreguei-me a esse sentimento depois de não fazer isso há muito tempo. Prometi que não me apaixonaria mais e, olha só, para minha surpresa me apaixonei e mais que isso: Eu decidi, vejam bem, DECIDI entregar o meu coração nessa jornada, nessa história. E como eu estou depois de mais um tombo? Bem, ora! Sabe qual foi a minha tática? Entreguei o meu coração, mas não criei expectativas.
Não criar expectativas é o mesmo que evitar o sofrimento. Entreguei meu coração sem esperar nada demais do outro alguém. Então, o que eu “esperava” aconteceu, ou seja – NADA, a não ser o fim de uma paixão que veio com tudo e descompassou meu coração.
Eu agi com a cabeça e com o coração lado a lado e aprendi que isso é uma maneira difícil de lhe dar com a paixão/o amor, porém é a maneira certa e a mais sensata.
E eu ainda to aqui – SORRINDO.

Jéssica Calaça Lima
Inserida por jesslimagyn