15 anos

Cerca de 94 frases e pensamentos: 15 anos

Para mim, a velhice é sempre 15 anos mais velha do que eu sou.

Bernard Baruch
2 compartilhamentos

Agora, que chegaste à idade avançada de 15 anos, Maria da Graça, eu te dou este livro: Alice no País das Maravilhas.
Este livro é doido, Maria. Isto é: o sentido dele está em ti.
Escuta: se não descobrires um sentido na loucura acabarás louca. Aprende, pois, logo de saída para a grande vida, a ler este livro como um simples manual do sentido evidente de todas as coisas, inclusive as loucas. Aprende isso a teu modo, pois te dou apenas umas poucas chaves entre milhares que abrem as portas da realidade.
A realidade, Maria, é louca.
Nem o Papa, ninguém no mundo, pode responder sem pestanejar à pergunta que Alice faz à gatinha: "Fala a verdade Dinah, já comeste um morcego?"
Não te espantes quando o mundo amanhecer irreconhecível. Para melhor ou pior, isso acontece muitas vezes por ano. "Quem sou eu no mundo?" Essa indagação perplexa é lugar-comum de cada história de gente. Quantas vezes mais decifrares essa charada, tão entranhada em ti mesma como os teus ossos, mais forte ficarás. Não importa qual seja a resposta; o importante é dar ou inventar uma resposta. Ainda que seja mentira.
A sozinhez (esquece essa palavra que inventei agora sem querer) é inevitável. Foi o que Alice falou no fundo do poço: "Estou tão cansada de estar aqui sozinha!" O importante é que ela conseguiu sair de lá, abrindo a porta. A porta do poço! Só as criaturas humanas (nem mesmo os grandes macacos e os cães amestrados) conseguem abrir uma porta bem fechada ou vice-versa, isto é, fechar uma porta bem aberta.
Somos todos tão bobos, Maria. Praticamos uma ação trivial, e temos a presunção petulante de esperar dela grandes conseqüências. Quando Alice comeu o bolo e não cresceu de tamanho, ficou no maior dos espantos. Apesar de ser isso o que acontece, geralmente, às pessoas que comem bolo.
Maria, há uma sabedoria social ou de bolso; nem toda sabedoria tem de ser grave.
A gente vive errando em relação ao próximo e o jeito é pedir desculpas sete vezes por dia: "Oh, I beg your pardon" Pois viver é falar de corda em casa de enforcado. Por isso te digo, para tua sabedoria de bolso: se gostas de gato, experimenta o ponto de vista do rato. Foi o que o rato perguntou à Alice: "Gostarias de gato se fosses eu?"
Os homens vivem apostando corrida, Maria. Nos escritórios, nos negócios, na política, nacional e internacional, nos clubes, nos bares, nas artes, na literatura, até amigos, até irmãos, até marido e mulher, até namorados todos vivem apostando corrida. São competições tão confusas, tão cheias de truques, tão desnecessárias, tão fingindo que não é, tão ridículas muitas vezes, por caminhos tão escondidos, que, quando os atletas chegam exaustos a um ponto, costumam perguntar: "A corrida terminou! mas quem ganhou?" É bobice, Maria da Graça, disputar uma corrida se a gente não irá saber quem venceu. Se tiveres de ir a algum lugar, não te preocupe a vaidade fatigante de ser a primeira a chegar. Se chegares sempre onde quiseres, ganhaste.
Disse o ratinho: "A minha história é longa e triste!" Ouvirás isso milhares de vezes. Como ouvirás a terrível variante: "Minha vida daria um romance". Ora, como todas as vidas vividas até o fim são longas e tristes, e como todas as vidas dariam romances, pois o romance só é o jeito de contar uma vida, foge, polida mas energeticamente, dos homens e das mulheres que suspiram e dizem: "Minha vida daria um romance!" Sobretudo dos homens. Uns chatos irremediáveis, Maria.
Os milagres sempre acontecem na vida de cada um e na vida de todos. Mas, ao contrário do que se pensa, os melhores e mais fundos milagres não acontecem de repente, mas devagar, muito devagar. Quero dizer o seguinte: a palavra depressão cairá de moda mais cedo ou mais tarde. Como talvez seja mais tarde, prepara-te para a visita do monstro, e não te desesperes ao triste pensamento de Alice: "Devo estar diminuindo de novo" Em algum lugar há cogumelos que nos fazem crescer novamente.
E escuta a parábola perfeita: Alice tinha diminuido tanto de tamanho que tomou um camundongo por um hipopótamo. Isso acontece muito, Mariazinha. Mas não sejamos ingênuos, pois o contrário também acontece. E é um outro escritor inglês que nos fala mais ou menos assim: o camundongo que expulsamos ontem passou a ser hoje um terrível rinoceronte. É isso mesmo. A alma da gente é uma máquina complicada que produz durante a vida uma quantidade imensa de camundongos que parecem hipopótamos e rinocerontes que parecem camundongos. O jeito é rir no caso da primeira confusão e ficar bem disposto para enfrentar o rinoceronte que entrou em nossos domínios disfarçado de camundongo. E como tomar o pequeno por grande e grande por pequeno é sempre meio cômico, nunca devemos perder o bom-humor`.
Toda a pessoa deve ter três caixas para guardar humor: uma caixa grande para o humor mais ou menos barato que a gente gasta na rua com os outros; uma caixa média para o humor que a gente precisa ter quando está sozinho, para perdoares a ti mesma, para rires de ti mesma; por fim, uma caixinha preciosa, muito escondida, para grandes ocasiões. Chamo de grandes ocasiões os momentos perigosos em que estamos cheios de dor ou de vaidade, em que sofremos a tentação de achar que fracassamos ou triunfamos, em que nos sentimos umas drogas ou muito bacanas. Cuidado, Maria, com as grandes ocasiões.
Por fim, mais uma palavra de bolso: às vezes uma pessoa se abandona de tal forma ao sofrimento, com uma tal complacência, que tem medo de não poder sair de lá. A dor também tem o seu feitiço, e este se vira contra o enfeitiçado. Por isso Alice, depois de ter chorado um lago, pensava: "Agora serei castigada, afogando-me em minhas próprias lágrimas".
Conclusão: a própria dor deve ter a sua medida: É feio, é imodesto, é vão, é perigoso ultrapassar a fronteira de nossa dor, Maria da Graça."

Paulo Mendes Campos
2 compartilhamentos

Conheço muita mulher de 15 anos e muita menina de 20. O mais engraçado é que essas tais meninas de 20 sempre se acham mais maduras.

John Barros
2 compartilhamentos

15 coisas voce tem que aprender aos 15 anos...

1º Saber que é melhor acreditar que o amor não existe.
2º Que seus sonhos de hoje talvez não sejam o mesmo de amanha, mas nem por isso pare de sonhar.
3º Sempre tente ter a melhor relação com seus pais. Nos seus tombos, são os únicos que o ajudaram.
4º Uma pessoa que jura amor sem olhar nos seus olhos, pode crer que isso não existe.
5º Converse bastante com senhores (as) da terceira idade, eles realmente são a única fonte de você saber como foi sentir na pele algo que já aconteceu há bastante tempo e que marcou a história de seu país.
6º Tenha muitos amigos, mas não confie demais neles, lembre-se dos 11 discípulos
7º Estude, Estude e Estude. Para quem sabe ter uma vida confortável na fase adulta.
8º Viva procurando conhecimento, até deitado olhando os formatos das nuvens é uma forma de conhecimento
9º Leia muito, livros, revistas, jornais, para que todo lugar que você for, nunca se sinta um pato fora d'gua.
10º Tente não se esquecer da sua infância e das brincadeiras, não é vergonha pular amarelinha aos 15 anos.
11º Aprenda que tudo tem seu tempo, não deite demais para não ter problemas de excesso de descanso, também não se exercite demais pode ter problemas seríssimos de cansaço.
12º Na medida do possível, tente aprender com os atos dos outros, para evitar que esse erro te complique.
13º Achar que já sente, sabe, vive, viu tudo em plenos 15 anos, é uma extrema ignorância
14º Não seja cético demais, ou acabará de privando dos pequenos detalhes que passam em sua frente.
15º E por ultimo, melhor acreditar que não existe ultimo ou fim, alias ano que vem isso poderá ser refeito, só que com um pequeno detalhe, com numero 16.

ViniciusColombrini
2 compartilhamentos

A mulher aos 15 anos quer um homem popular, aos 20, quer um homem com futuro, aos 25, um homem bem sucedido, aos 30 quer qualquer Homem, e aos 35 simplesmente quer um HOMEM.

Luana Colomno Mioto
2 compartilhamentos

E se...

Já se imaginou em 15 anos?
Claro que cada um tem sua meta, uns querem casar, ter filhos, uma vida estável. Outros querem se dedicar ao estudo, em sequencia ao trabalho, sonhos difíceis de alcançar, que exigem um pouco de esforço, depois pensar no que fazer.
Há também aqueles que momentaneamente apenas querem curtir a vida, sair, festejar, sem pensar no amanha, deixa o depois assim mesmo, pra depois...
Você se identifica com algo citado? Certamente sim, mas já parou pra pensar em algo maior? Eu sei que parece meio idiota, mas é sério, você já amou? Se sim, então, você é feliz? Eu sou feliz, mas será se em quinze anos eu ainda serei feliz? Será se as escolhas que planejo fazer são as corretas? E se eu parar para pensar nisso agora? Será se tem chances de eu mudar meu futuro? Eu tenho esse poder, você também tem!
Já abraçou hoje? Já sorriu hoje? Já ouviu aquela música que tanto gosta? Já disse pra alguém que você o ama? E se amanha for tarde demais? Dance, ame, estude, leia um livro, seja feliz, mas saiba equilibrar, você pode ter o melhor dos dois mundos, imagine-se em quinze anos, pense em como você é hoje, eu sei que você tem uma idéia de como vai ser no futuro. É isso que você quer? Não acha melhor mudar agora? E se aquela pessoa que você dispensou for realmente o amor da sua vida? Será se ainda dá pra voltar atrás? E se aquela pessoa que você pensava em casar for apenas um simples individuo que passou pela sua vida? Será se não é meio idiota você chorar por ela?
A vida é meio estranha, às vezes simples coisas fazem você pensar sobre ela, como uma frase, ou um filme, uma música, ou um sorriso. O que te faz pensar? O que te faz feliz?
Às vezes um amor, é só um amor, às vezes um amigo, é só um amigo. Mas sempre vai ter alguém que é mais, você sabe quem é mais pra você? Lembra daquela pessoa? Eu sei que você lembra, vai atrás dela, seja feliz, amanha será tarde demais. Abrace aquele amigo, ele pode achar estranho, mas dane-se, a vida precisa mesmo de algum sentido?
Você tem suas escolhas, não precisa as mudar, mas pode melhorar, pode fazer mais, você tem esse potencial. Que tal deixar de ser idiota e fazer algo que valha mesmo a pena? Que tal ceder o lugar no ônibus para alguém? Tente cantar aquela música, você sabe qual música é. Vá visitar seu amigo. Ligue para aquela pessoa. Não deixe o mundo embaçar sua visão, faça hoje algo que possa fazer seu futuro melhor do que será, toda meta tem sua consequencia, faça com que isso seja bom, quer casar, ter uma penca de filhos? Faça outra coisa agora, você não precisa esperar que a pessoa perfeita apareça, isso não existe, desculpe te decepcionar. Quer ter um emprego excelente? Ganhar bem? Ta você não precisa estudar 25 horas por dia pra isso! Vá ser um pouco feliz, divirta-se um pouquinho, não vai morrer se fizer isso, acredite! Gosta de curtir a vida? Não precisa fazer isso 7 dias na semana, dê um tempo para outras coisas, dê um verdadeiro tempo para si, nem que seja apenas para olhar para o teto, ou ler um livro, ou sair com alguém diferente, conhecer coisas novas, pensar em um mundo além da diversão com seus amigos!
Escolhas nunca são fáceis, mas sinceramente, a vida não é tão complexa assim, as pessoas apenas gostam de achar que estão enfrentando um desafio, mas desafio mesmo é fazer algo que você nunca faria, ou algo que já fez, mas jurou não fazer novamente, qual foi mesmo o grande problema de ter feito? Errou feio? Que tal fazer de novo sem esse erro? Você tem muito que viver, não vai perder muito tempo se fizer algo novamente, só não seja idiota a ponto de deixar certas oportunidades para lá...
Ultimamente eu venho pensando muito sobre as coisas que acontecem ao meu redor, peguei-me pensando sobre a frase ‘os opostos se atraem’ ao refletir cheguei à conclusão de que isso é devido ao fato de o ser humano sempre estar procurando algo novo, que graça tem de você ter algo com alguém parecido com você? Você pode se olhar no espelho que será a mesma sensação, mas alguém diferente, não, é bom sentar para conversar com uma pessoa com experiências distintas, é bom expandir seus horizontes, é bom conhecer bandas novas, debater com pontos de vista distintos, confesso que me achei meio idiota por não ter pensado nisso antes, sei lá, acho que tudo tem seu momento, se eu parasse para refletir sobre isso há alguns meses nada iria mudar, é isso, tudo tem seu momento, nada acontece por acaso, mesmo sendo você quem decide suas escolhas, já parou para pensar porque você fez aquilo? Pensar enlouquece, ultimamente ando pensando tanto, isso é tão bom, normal é chato, pense nisso! Pense, apenas pense, refaça seu futuro, ainda há tempo, por que você está perdendo seu tempo lendo isso mesmo? Deve estar com algum objetivo, nem que seja apenas para passar o tempo! Talvez esse pequeno texto esteja sendo utilizado para fazer uma grande diferença em sua vida, agradeça-me depois, agora vá! Reflita sobre tudo o que leu! Faça seu futuro, vá procurar alguém distinto para conversar, vá fazer algo que nunca faria! Não se esqueça, pare de chorar e ligue para aquela pessoa! Seja feliz, hoje e sempre!

Ice Princess
2 compartilhamentos

Quando temos uma idade de 13 a 15 anos, não temos a mínima idéia do que somos, do que queremos fazer. Não sabemos no que estamos nos envolvendo. As vezes nos colocamos em cada encruzilhada que não conseguimos sair, e lá está os amigos ou principalmente a nossa família. As pessoas mais importantes da nossa vida. São elas que estão la no momento que você passa a noite chorando por certa pessoa. E não importa se ela ri de você, se ela fala palavras de baixo escalão, se ela te apóia, você sabe que ela sempre vai estar la quando você precisar. Nesses 3 anos da sua vida; você pensa muito no passado, você muitas vezes quer voltar, ou então quer que chegue logo a maior idade. É nesse tempo que as verdade aparecem, é nesse tempo onde você descobre mais as verdadeiras amizades, os amores que nunca foram amores. É nesse tempo que você vê que seus verdadeiros amigos é seu pai e sua mãe. É nesse tempo onde você mais erra; porém é onde você mais acerta. Passou dos 15 anos. Você apenas vai lembrar daqueles dias que você passou por apuros e rir, ou então chorar. Você vai relembrar daqueles que se arrependeu e fazer tudo o que você pode fazer para nunca mais se arrepender porém não do jeito errado como você fazia. Mas do jeito que você sabe que agora é o certo. Você vai crescendo a cada dia com suas amigas, você já não tem mais medo de beijar por que você sabe que não é mais aquela menininha que se apaixona por qualquer um. A menininha esta crescendo a cada dia, aprendendo a cada dia. A partir dos 16 anos você APRENDE a viver, aprende a ver o dia de outra forma, aprende a observar as coisas mais simples, aprende a dar valor as pequenas coisas e atitudes. Com 16 anos, tente ser simplesmente VOCÊ.

Natiely Simioni
2 compartilhamentos

Feliz aniversário! Que bom poder dizer "já tenho 15 anos"!

Luiz Maria Borges dos Reis
2 compartilhamentos

Que saudades dos meus 15 anos, idade da maturação, idade da aceitável inconstância, idade que você sofre por amor, mas tem a incrível sensação de que todos os seus amigos serão para a vida toda! E alguns serão mesmo.

Márcia Paula Vaz
Inserida por MarciaPaulaVaz

15 ANOS.....


15 anos atrás fui a procurar,
A singela que apaixonei.


15 anos atrás encontrei o amor,
Por um passaro que procurou.


15 anos atrás uma bela borboleta,
voou atrás de uma flor.


15 anos atrás vi a menina,
De cabelos longos e encaracolados.

15 anos possíveis só para sonhar,
Com uma bela apeçonhar.

15+15=30,
Trinta anos só para te acordar.


30-15=15,
15 secúlos só para pensar.


20-5=15,
15 cabelos loiros e um castanho.

Se 15x15 eu contar, dividir eu vou remontar,
Remontar a tua beleza só me mim ficar.....

carla beatriz almeida mota
Inserida por merida

Aos 15 anos achamos que nossas descobertas representam a única verdade possível.
Aos 30, acreditamos que as nossas sínteses - científica e historicamente fundamentadas - refletem a realidade inequívoca de todas as teses e antíteses que nos legaram.
Aos 50 começamos a descobrir o quanto nossas "verdades consolidadas" possuem de fragilidade em seus alicerces.
Aos 80 descobrimos o quanto estivemos enganados sobre tantas "verdades irrefutáveis", mas agora já é muito tarde para transformar tal constatação em algo útil em nossas vidas.

Luiz Roberto Bodstein
Inserida por bodstein

- Princesas, aprendam.. ser virgem aos 15 anos não é feio, feio é ser mãe aos 12.

Daniel Neto
Inserida por NetinhoKing

Voltar a ser solteiro é como ser um garroto de 15 anos, só que sem a mãe para regular-o

mireldes loforte
Inserida por mireldesloforte

SINCRONIA

A minha mente tem 15 anos, o meu corpo tem muito mais, de vez em quando a minha mente sai correndo e o meu corpo fica, eu preciso sincronizar os dois.

Ou faço um corpo de 15 ou uma mente de muito mais...

Beatriz de Azevedo
Inserida por Biaazv

" RIMAR SEMPRE FOI MINHA [ TRAGETORIA ] C 15anos EU ESCREVIA "RAP" HOJE ESCREVO A MINHA [ HISTORIA ] "

PHABRYCYO
Inserida por PHABRYCYO-MARQUES

A Tom Jobim.

15 anos sem Jobim.
Realmente, tudo que é bom, tem fim.
Tanta coisa ruim pra ruir
e vai se embora meu maestro.

Cancionar, harmonizar o sol de Copacabana.
Eita saudade corroída pelo tempo,
eita tormento, piano com pano.

Consigo ouvi-lo quando em silêncio, ponho-me
na enevoada manhã dessas montanhas.
Estrangulo com as mãos, o pecado do ócio.

A ansiedade dessa cidade.
O tribunal de inquisições formais.
As bruxas de hoje não usam vassouras,
usam a mídia para se locomover.

Cansado dessa euforia do tempo,
de passar gota a gota pelo relógio,
coloco um vinil de Jobim e pronto!
Agüento mais um tempo até o disco acabar.

Nél Marques
Inserida por nelmarques

Sem fim...

Aos 15 anos ela o encontrou,
Um garoto afetuoso que lhe encantou,
Desse encontro um amor nasceu,
Que no peito dela adormeceu,
Vários afagos foram trocados,
Mas pela idade foram abandonados,

Vidas diferentes eles tomariam,
Sem saber que um dia se cruzariam,
Ele livre e desbravador,
Ela comprometida com seu fardo indolor,
O garoto que várias encantou,
E a garota que precocemente casou,

Como se no passado eles tivessem combinado,
Depois de 15 anos se reencontraram,
Como mágica o amor nela renasceu,
Enquanto preconceito nele apareceu,
Todo o encanto que ela sentia,
Parava na responsabilidade que ele temia,

Mesmo casada ela o queria,
E com as investidas dela ele sedia,
Por mais de um ano eles brincaram,
Sem perceber que outros eles afetavam,
Junto do amor que chegou,
Um problema grande o casal gerou,

Sair de casa ela decidiu,
E nessa hora ele a assumiu,
Com os meninos ela chegou,
Que responsabilidade nele criou,
Momentos alegres a família viveu,
Mas sempre ameaçada por quem a perdeu,

O amor que ela sempre afirmou,
O encantou e cego o deixou,
As ameaças que ela dizia receber,
Foram assumidas por ele a lhe proteger,
Os momentos de felicidade que a vida apresentava,
Sempre se esbarravam no passado dela que os torturava,

No final loucuras de amor ele fazia,
Enquanto algumas verdades ela escondia,
A paixão que dele roubou o bom senso,
Foi destruída pelas mentiras que ela criou sem consenso,
Contudo sua marca desonesta ela deixou,
E ele arrasado infelizmente ficou.

Bruno Felipe
Inserida por brunofel
1 compartilhamento

Quando se faz 16 anos, muda-se muita coisa, muito mais que nos 15 anos que não muda absolutamente nada além do número da Idade! Quando se faz 16 anos, depende da mentalidade e da maturidade da pessoa, a menina passa por muitas mudanças psicológicos... Você começa a ver o mundo de maneira diferente... Coisas que antes eram muito importantes e interessantes pra você, agora não tem mais tanta graça... Acontece... Eu sei que sim...
Amizades que antes eram incríveis, você começa a perceber que não são... Amores, você começa a perceber que não são tão inocentes assim... E que dá pra ser feliz com uma pessoa, e ela não precisa ser o Princípe Encantado nem ter olhos azuis, embora você tenha esperança que ele apareça... A gente começa a perceber que nada é tão perfeito, e que pra ter alguma coisa é necessário ir atrás... Ninguém te vê mais como uma menininha indefesa, ninguém vai apertar suas bochechas e dizer como você cresceu, dirão somente isso quando você engordar (trauma), ninguém vai te ver como a coisinha preciosa e lindinha que você era vista, e finalmente... Ninguém mais vai te ajudar em coisas que ajudavam antes, você não é mais pequena, tá na hora de se virar nos 30, 40, 50, 1000, até onde seu limite permitir, no meu caso acho que passei dos "Se vira nos 1000"... Bem... Você será vista como uma Mulher, e não uma menina... Bem... Uma pré-mulher... Os homens irão te olhar de maneira diferente... E os assuntos falados no seu grupo já não serão iguais aos de antes, e você vai ver agora, como era bom os Assuntos de Criança... Que saudade desse tempo... Opa! Cheguei na Crise principal! Aquela do: "Que saudade desse tempo"... É minha amiga... Você tá crescendo, quando você chega num ponto que você para e começa a pensar: "Que saudade desse tempo", daquele tempo... De quando eu brincava de boneca, de quando eu fazia bolinho de barro... De quando eu podia brincar com água a vontade e não parecia infantilidade... De quando eu fazia birra, eu teimava, e não era "criancice", por que eu era criança... Quando você podia ver alguma cena, presenciar um beijo sem maldade, quando sentia nojo de ver alguém se beijando... Quando você brincava de Esconde-esconde, pega-pega, alerta, com seus amigos, e que muitos desses amigos que você brincava nem falam mais com você! Muitas vezes por ruindade, por egoísmo, por ciúmes, quem sabe até de garotos... Sentimentos idiotas que são instalados no nosso coração... E que saudade daquele tempo que a gente não tinha esses sentimentos!
Minha linda, você cresceu! Quando você percebe o quanto era bom ser criança, você chegou na sua maturidade! A vida que vem a seguir te assusta... Namorado, faculdade, vida social, carreira... Que vontade de voltar a ser aquela menininha indefesa que a tia apertava a bochecha (e não a menininha que atualmente a tia conta de suas relações... bom... relações digamos)... Que saudade desse tempo que eu podia até ter aproveitado mais! Podia ter brincado mais, jogado mais barro nos outros, pulado mais a cerca enquanto eu podia e eu era ágil pra isso! Ai como eu vou sentir falta disso! Que saudade! E agora eu acho um absurdo Crianças dizendo "eu quero crescer", não queiram minhas lindas... Crescer é bom, mas também te destrói internamente!
E lá se vem a vida dos 16... 17... 18... Ué... Espera... Você não esperou tanto tempo por isso?! Esperei! E agora que chegou está me assustando, me sufocando... É muita pressão pra uma moça que não sabe nem qual picolé escolher na sorveteria... Como irei decidir minha vida, se eu ainda me preocupo em brincar... Eu queria tanto voltar a brincar, voltar a sonhar, antes tudo parecia tão fácil, tão lindo, tão mágico... Eu não posso "voar" tão alto quanto antes, eu não posso sentar confortavelmente, "por que isso não é jeito de moça crescida sentar", eu não posso derrubar um copo no chão, "por que você já está crescida pra cuidar das coisas, e não derruba-las!"... O mundo é cruel pra quem está nessa transição dos 16 anos... EU QUERO VOLTAR, EU NÃO QUERO CRESCER, EU QUERO SER CRIANÇA, QUERO BRINCAR, CAIR, ME SUJAR... Mas minha amiga, minha linda... Acabou... E essa é uma das palavras que mais doem em quem está na crise dos 16... ACABOU!!! Está na hora de você seguir sua vida minha menina, de sonhar novos sonhos, de ter novas esperanças! De crescer minha menina!!! O tempo de planejar acabou! Agora viva! Eu sei o quanto é duro ter 16 anos, eu tenho 16 anos! Mas minha menina... Chegou a sua hora de ter seu lugar no mundo, vá brilhar... E quando essa crise bater a sua porta novamente, deixe seu lado criança explodir, brinque, se suje, e não ligue pro que a "Sociedade" irá dizer! A sociedade é sua pior inimiga aos 16 anos... A melhor coisa que você pode levar da sua "crise dos 16 anos", é as lembranças do que você viveu... E se quiser, tente viver de novo! Nunca perca esse espírito jovem que vive dentro de você! Pois é o seu maior tesouro... Um espírito de uma criança indefesa, com medo de escuro, com vontade de brincar... 
E não deixe a crise dos 16 anos, se tornar mais forte que você...
Então, minha menina... Você realmente quer crescer?! <3

Alana Andrade Mikulis
Inserida por AlanaMikulis
1 compartilhamento

Meus 15 anos!
Eu sempre me senti diferentes das outras garotas. Não mais bonita, nem mais feia, só diferente. Nunca gostei de maquiagem, quando usava me sentia o curinga personificado. Minha moda? Eu mesma criava o meu jeito de me vestir. Saltos? Nunca gostei, eu preferia All Star. Roupas com decote? Eu passava longe!
Eu estudava em uma escola de tempo integral - Escola Estadual de ensino integral Emanuel Rosa Sales. Meu tempo de escola não era diferente desses famosos clichês que passam nos filmes: "Garota bonita vs Garota feia".
Bruna, é uma daquelas garotas que todos os meninos são loucos para "pegar". Realmente linda e atraente, mas posso dizer que tinha muita beleza e pouco conteúdo. Eu era exatamente o oposto dela. Enquanto os garotos faziam fila para namora-la, eles também faziam fila para fugir de mim.
O meu primeiro e tão sonhado beijo, aconteceu com um garotinho da escola, que tinha por nome Pedro. Eu estava feliz, cheguei a pensar que ele e eu namoraríamos (quanta inocência)... Depois de alguns dias trocando beijos e acreditando que estávamos juntos, Pedro me deu um belo fora dizendo:
- Não posso mais ficar com você, meus amigos estão me zoando e falando que estou namorando uma garota que parece menino.
Eu chorei muito ao ouvir aquilo, eu tinha apenas 13 anos e não entendia porque insistiam em me rotular gay.
Comecei a perguntar a mim mesma se aquilo era resultado do modo como eu me vestia ou talvez o jeito masculino como eu andava (eu já tinha ouvido alguns colegas dizendo que eu não sabia rebolar e andava de um jeito masculino. Eu nunca imaginei que existia regras na forma de andar, onde diferia homens de mulheres.) Talvez a minha falta de feminilidade tenha contribuído em toda essa construção pejorativa que as pessoas tinham com a minha aparência.
Um dia almoçando sozinha na escola, sentou uma garota na minha mesa (de nome Nicole) para me fazer companhia. Isso raramente acontecia... Ela me tratou bem como há muito tempo não acontecia, disse que entendia tudo que eu estava vivendo pois também passou pelo mesmo ao se assumir.
Fiquei brava por ela ter agido como se eu também fosse lésbica. Levantei furiosa e fui embora pra minha sala deixando o almoço quase intacto na mesa. Sentei na minha cadeira e comecei a refletir que talvez aquela menina tenha sido a única que me tratou bem, não se importando com o que falavam sobre mim. E se eu tinha tanta raiva daqueles que me julgavam, porque logo eu iria julga-la? Voltei ao pátio e olhei em volta para encontra-la e fui até onde ela estava para me desculpar.
Ela desculpou-me e se tornou minha melhor amiga. Quando alguém zoava a gente nos chamando de lésbicas ela sabia exatamente como nos defender, até parecia que ela acostumou com aquilo ao ponto de ser mais forte e pouco a pouco ela me ensinava a ser forte também.
Depois de um tempo esse tal menino - o Pedro - começou a me zoar com os demais amigos... Me chamava de "Maria macho", "sapatão" e uma série de coisas desse gênero. Eu chorava e tinha vergonha de ir a escola. Eu implorava que minha mãe me tirasse de lá, mas ela inocentemente achando que era preguiça de estudar, não atendeu meu pedido. Eu comecei a rezar que a convivência na escola melhorasse, mas tudo só piorava, passei a ter medo de me aproximar das pessoas e chorava quase sempre que estava sozinha.
Eu comecei a cair em uma depressão enorme. Piorando eu morria de medo de falar para minha mãe o que estava acontecendo. Eu tinha medo que ela também achasse que eu era lésbica. (eu era só uma garota de 13 anos sentindo-se só).
Os boatos sobre minha sexualidade se espalharam e logo todos os alunos e alguns professores já estavam sabendo da história e tomando essa mentira como uma verdade absoluta. Eu me afundava a cada dia em uma solidão absurda dentro de mim. E sempre quando me viam chorando nos cantos da escola, afirmavam que era vitimismo para chamar atenção.
Tentei me afastar da Nicole para diminuir os boatos, mas sem ela a escola era ainda mais difícil de suportar. Nossa amizade só crescia e os boatos de que estávamos namorando se espalhou pela escola.
Em uma manhã de quarta-feira fui ao colégio, mas não tive coragem de entrar na sala de aula. Eu tive fobia/medo daquelas pessoas que se diziam meus colegas. Covardemente desisti de entrar na sala e segui de uniforme, livros e mochila até a saída para tentar ir embora da escola, mas infelizmente os portões já haviam sido fechados e eu em uma atitude desesperada para não entrar na sala, segui em destino ao banheiro do vestiário feminino. Fiquei lá por quase 4 horas sentada no chão do banheiro, por mais desconfortável que fosse, era melhor para mim que entrar na sala.
Na hora do intervalo um grupo de meninas da minha sala entraram no vestiário para retocar a maquiagem antes de irem almoçar. Ironicamente notei que o assunto da conversa era sobre mim. Elas falavam em alto e bom som, para que quem entrasse naquele banheiro pudesse ouvir que os diretores deveriam expulsar-me, pois pois era inaceitável um namoro lésbico na escola. Todas caiam na risada, pareciam contar a mais engraçada de todas as piadas.
Abri a porta do banheiro e com toda a raiva que eu estava sentindo, empurrei uma delas contra o banco do vestiário. Por ironia, era a Bruna. Mas meu ódio me cegou e não consegui parar de machuca-la, suas amigas tentaram separar a briga e chamar socorro, mas até lá eu já tinha feito um estrago no rosto dela.
Fui suspensa após isso e quando finalmente voltei à escola minha vida se tornou um inferno ainda pior. Bruna começou a espalhar boatos mentirosos sobre mim, afirmava aos quatro cantos da escola que me viu beijando uma garota e eu havia batido nela para que ela não falasse a verdade sobre mim.
E enquanto pessoas como a Bruna e o Pedro se voltaram contra mim, a Nicole se aproximava cada vez mais e me fortalecia.
O tempo foi passando e eu acabei me encantando por aquela garota. Me encantei por ela e não por ser uma menina. Acabei me apaixonando pela forma que ela me cuidava e me protegia do mundo. Eu não sei se nasci lésbica ou se me tornei devido as circunstâncias, mas até hoje não me arrependo.
Parei de me importar com o que as pessoas falavam sobre mim e passei a ter orgulho de quem eu era. Tomei coragem e me assumi para minha mãe que, graças à Deus, me aceitou bem. No início eu tinha receios de assumir até a mim mesma, mas depois que eu me aceitei vi que minha sexualidade não me fazia menos que as demais pessoas.
Fomos o primeiro casal lésbico da escola. Era algo novo e inusitado, após isso muitos outros casais gays começaram a assumir também.
Ao me assumir, uma porção de barreiras difíceis começou a surgir para que eu quebrasse. Eu era vítima de preconceito constantemente. Até daqueles que deveriam nos defender. Acabei sendo obrigada a mudar de escola após uma conversa de diretores com minha mãe. As pessoas não aceitavam e parecia que a minha sexualidade desmoralizava a todos.
Pessoas se afastaram e deixaram de ser meus amigos, no início não entendia o que estava acontecendo comigo. Eu era uma menina como todas as outras, a única coisa diferente era o que eu trazia no meu coração. Mas desde quando a minha forma de amar muda quem eu sou?
(...) ANOS PASSARAM
Deixei de ser a menina assombrada, para me tornar a mulher destemida. Concluí o ensino médio e iniciei a faculdade de Psicologia.
Um certo dia vindo da faculdade, encontrei uma garota desolada, com a cabeça baixa, sentada em um banco na rodoviária. A faculdade é em uma cidade vizinha, então fazia parte da minha rotina descer do ônibus na rodoviária e ficar na espera da minha mãe ir buscar-me.
Já era tarde e não tinha quase ninguém na rua, era por volta de quase onze e meia da madrugada. Me aproximei e quando a tal garota levantou a cabeça, vi que se tratava da Bruna. Nesse momento eu gelei, fiquei paralisada e sem ação.
Ela tentou ignorar a minha presença, continuando sentada em um banco, tentando abafar o choro. Creio que se sentiu intimidada. Tentei me aproximar, porém eu estava com certa vergonha. No fundo eu sentia muita mágoa, raiva e desprezo ao lembrar de tudo que ela me causou anos atrás, mas ir embora e deixa-la para trás naquele estado me traria peso na consciência. Já era tarde e seria perigoso para qualquer garota ficar ali naquele horário sozinha. Insisti para que ela se abrisse e eu pudesse entender o motivo do choro. Mesmo com muito medo que ela me tratasse mal como tratou em todas as vezes que cruzamos.
De início ela me tratou mal e disse que eu estava tripudiando da tristeza dela. Ela implorou para que eu me afastasse, mas eu fui insistente. A verdade é que ela estava insegura, achando que eu estava ali para me engrandecer com sua dor.
Sentei ao seu lado no banco em que ela se encontrava e disse:
- Eu não quero te fazer mal, se o destino fez que a gente se encontrasse a essa hora, talvez fosse mesmo pra ser assim, do contrário, as forças superiores teriam enviado uma daqueles suas amigas do ensino médio. - Rimos juntas.
Ela começou a chorar e me abraçou, fortemente como se fosse um pedido de desculpa por ter durante tanto tempo me perseguido. Creio que a minha piadinha fora de hora sobre ensino médio tenha despertado tais lembranças nela.
Ela ainda presa no meu abraço, contou-me que acaba de ser expulsa de casa e o motivo era sua sexualidade. Eu fiquei surpresa. Puts! Sempre imaginei ela héterosexual e agora essa revelação, caramba me pegou realmente surpresa. Ela chorava mais que antes e me pedia desculpa por tudo que me causou e me abraçou ainda mais forte.
Quando minha mãe finalmente chegou para me apanhar da faculdade, eu expliquei toda a situação e pedi permissão para leva-la para dormir aquela noite em casa.
Minha mãe respondeu algo que me fez agradecer aos céus por ter a sorte de ter nascido daquela mulher:
- É claro que pode Lanny. Algumas vezes na vida, nós pais tememos tanto que nossos filhos sofra, que brigamos para que eles sigam um caminho que a nossos olhos seria menos doloroso. Talvez seus pais só esteja com medo de tudo que você vai enfrentar pela sua sexualidade. No início eu também agi assim, mas depois me preocupei em não der para minha filha um exemplo dessas pessoas que não se importam com com a felicidade. Nós as vezes buscamos tanto o melhor para nossos filhos e esquecemos que o melhor nem sempre é o caminho mais fácil e sim o caminho que mesmo difícil os fazem mais felizes. Eles vão te aceitar Bruna, é questão de tempo até que eles vejam a filha maravilhosa que você é.
Naquela noite e por mais alguns meses Bruna passou a dormir em minha casa. Esquecemos sobre o passado e firmamos uma amizade forte. Hoje somos quase como irmãs. Após alguns meses sentindo na pele o peso da rejeição e do preconceito ela foi finalmente aceita por seus pais e hoje é namorada de uma garota linda que costumo chamar de cunhada.
Não sei se dá pra tirar uma moral dessa história, mas se desse seria: O mundo gira e as pessoas que hoje você oprime, amanhã pode ser uma das poucas que vai te estender a mão quando precisares.




Repentinamente me vejo sendo outra vez aquela garota de quinze anos. Isso é tão assustador!
Me vi presa outra vez dentro de mim mesma, com medo de sair do quarto e viver. Parece tão louco me sentir assim. Eu sempre me achei/pensei ser tão segura de mim mesma.
Me sinto de mal com o espelho, quando fico diante dele vejo um reflexo errado de mim. Por mais louco que seja, ele mostra a imagem de uma garota de quinze anos chorando, mas eu sou uma mulher. Ele deve estar refletindo errado ou sera o reflexo da minha alma?
As pessoas me olham, mas sinto que são sempre olhares focados para as minhas "imperfeições" e nunca olhares de admiração. Eu já desisti de conhecer novas pessoas por vergonha da minha aparência, recusei alguns encontros por puro medo do que os outros pensariam de mim depois de me conhecerem a fundo.
Sei que muitas pessoas não entendem meus sentimentos, minhas escritas, minha palavras. Mas a confusão dessas palavras combinam com meu excesso de sentimentos confusos. Sou tão de mal comigo mesma que me recuso a pensar na ideia de alguém me ver com bons olhos... É como se fosse impossível na minha cabeça.
Cinco anos passaram e a garota de quinze anos ainda não morreu dentro de mim. Ela continua chorando e se sentindo abandonada nesse mundo onde só parece caber pessoas de boa forma e pouco conteúdo.
Gosto de pessoas que buscam despir não só meu corpo, mas minha alma também.

Lanny Ferreira
Inserida por lannyContos
1 compartilhamento

Se aos 15 anos tivéssemos a sabedoria que adquirimos aos 30, certamente teríamos uma vida ainda melhor.

Jane Silva
Inserida por Jheine